21 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
sebrae revolution1
INTERNACIONAL

Hong Kong: magnata de mídia Jimmy Lai é preso sob lei de segurança

Lai é considerado uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong

9 agosto 2020 - 22h27
Magnata da imprensa, Jimmy Lai foi preso em Hong Kong acusado de fraude e conluio com forças estrangeiras
Magnata da imprensa, Jimmy Lai foi preso em Hong Kong acusado de fraude e conluio com forças estrangeiras - (Foto: Anthony Wallace/AFP)

Saiba Mais

Jimmy Lai, o editor do popular jornal pró-democracia de Hong Kong, Apple Daily, foi preso nesta segunda-feira (horário local) por suspeita de "conluio estrangeiro" sob a nova lei de segurança nacional que Pequim impôs à cidade em resposta a um ano de agitação pró-democracia, de acordo com o executivo sênior da editora de Lai Mark Simon.

A polícia entrou na casa de Lai e o informou de que ele estava sendo preso sob suspeita de violação de segurança nacional, entre outras, disse Simon. A polícia também realizou buscas na casa de um filho de Lai.

A prisão do barão da mídia de Hong Kong, de 70 anos, é de longe a mais significativa segundo a nova lei de segurança nacional. Lai é uma figura importante na vida de Hong Kong, cujo jornal foi um espinho para a liderança pró-Pequim da cidade durante os meses de massivos protestos pacíficos e violentos confrontos com a polícia que abalaram Hong Kong no ano passado.

Lai também fez várias viagens a Washington DC para se encontrar com autoridades norte-americanas, incluindo o vice-presidente Mike Pence, atividade que agora provavelmente violaria os estatutos de conluio estrangeiro da lei de segurança, embora a lei não seja retroativa.

Críticos da lei de segurança nacional, incluindo Lai, a consideraram a sentença de morte para o status semiautônomo e os tribunais independentes que permitem que Hong Kong prospere como uma capital financeira internacional. Os EUA responderam à lei com várias sanções, incluindo punir pessoalmente a líder da cidade, Carrie Lam, apoiada por Pequim, e outras autoridades.

A polícia de Hong Kong disse em um comunicado que sete pessoas foram presas por suspeita de violação da lei de segurança nacional, mas não revelou os nomes dos presos.

Banner Whatsapp Desktop
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você apoia o retorno do ensino presencial em escolas públicas ainda no ano de 2020?

Votar
Resultados
SANESUL DIA DA ARVORE
TJ MS
pmcg ms