29 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
INTERNACIONAL

Estado de Nova York quer dissolver poderosa associação pró-armas NRA por fraude

Segundo a procuradora-geral do Estado, o líder e outros altos funcionários da associação usaram fundos e doações de membros por anos como seu 'cofrinho pessoal'

6 agosto 2020 - 16h58
O líder da NRA, Wayne LaPierre, durante discurso em uma conferência em Maryland
O líder da NRA, Wayne LaPierre, durante discurso em uma conferência em Maryland - (Foto: Erik S. Lesser/EFE)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

O Estado de Nova York anunciou nesta quinta-feira, 6, que entrou com uma ação contra a poderosa Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês) e seu líder Wayne LaPierre por fraude financeira e má conduta, com o objetivo de dissolver o grupo de lobby pró-armas conservador.

"A influência da NRA tem sido tão poderosa que a organização não foi controlada por décadas, à medida que os altos executivos desviavam milhões para o próprio bolso", disse a procuradora-geral, Letitia James. "A NRA está cheia de fraudes e abusos, então hoje procuramos dissolver a NRA, porque nenhuma organização está acima da lei."

Segundo a procuradora-geral, LaPierre e três outros altos funcionários da NRA usaram fundos e doações de membros por anos como seu "cofrinho pessoal" e usaram dezenas de milhões de dólares em gastos pessoais e de cúmplices em violação das leis que governam as organizações sem fins lucrativos.

Todos os quatro "basicamente saquearam seus ativos", disse James, deixando praticamente insolvente o grupo que já foi rico e injetou milhões em campanhas políticas republicanas.

Durante décadas, a NRA representou milhões de proprietários e militantes das armas nos Estados Unidos, lutando com sucesso substancial para enfraquecer e eliminar as leis que impunham controles, usando a Segunda Emenda à Constituição - que protege o direito de portar armas - como argumento.

Em sua resposta, a NRA voltou a usar esse argumento e denunciou a demanda como "um ataque sem base" legal e "premeditado" contra a organização e as "liberdades da Segunda Emenda".

"É uma tentativa clara de marcar pontos políticos e atacar a voz principal que se opõe à agenda de esquerda. Esta é uma tomada do poder por um oportunista político, um movimento desesperado que faz parte de uma vingança política nojenta", afirmou a associação em um comunicado.

A organização, que já havia questionado anteriormente James por declarações contra ela, garantiu que não será "intimidada" e se defenderá.

Poder político

Na política, a NRA apoiou os candidatos que se alinharam com seus pontos de vista e criticou aqueles que apoiavam a regulamentação de armas de fogo. LaPierre, que liderou a NRA por quase três décadas, tornou-se um dos principais homens de poder sobre o assunto em Washington.

Ele teve um papel importante nas eleições de Donald Trump em 2016. Os filhos do presidente americano Eric e Donald Jr são membros e participam regularmente de eventos da NRA.

Questionado sobre o processo, Trump disse na Casa Branca que se trata de "uma coisa terrível". "Acho que a NRA deveria se mudar para o Texas e levar uma vida muito boa e bonita", sugeriu.

Aviões privados e safáris

James disse que LaPierre usou ilegalmente os fundos da NRA para pagar jatos particulares para levar sua família em férias de luxo nas Bahamas, e desviou milhões de dólares sem explicação por meio de uma agência de viagens.

Além disso, a NRA pagou por safáris na África e até mesmo pela associação de LaPierre em um clube de golfe, algo não previsto oficialmente.

LaPierre também aceitou presentes de luxo e viagens de fornecedores da NRA, e um pacote de retirada de US$ 17 milhões (R$ 90,8 milhões) foi concedido sem a aprovação do conselho da associação.

O processo acusa o ex-tesoureiro da NRA Wilson Phillips de se contratar como consultor da organização por US$ 1,8 milhão (R$ 9,62 milhões) e de esconder dezenas de milhões em despesas para os executivos da NRA. Entre elas, pagamentos ao contratante de relações públicas, Ackerman Queen.

Também foram acusados o conselheiro geral John Frazer e o ex-chefe de gabinete Joshua Powell.

A procuradora negou que tenha agido por motivações políticas e disse que o estado apenas forçou duas outras ONGs a fechar nos últimos anos, uma delas, a Fundação Trump.

A acusação de James ocorre no momento em que a NRA, embora enfraquecida financeiramente, deve injetar grandes quantias nas eleições gerais de novembro. (Com agências internacionais)

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS