02 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Legislação

Comissão aprova novas punições para crimes relacionados ao preconceito

20 dezembro 2013 - 14h31
A Comissão de Direitos Humanos e Minorias aprovou na quarta-feira (18) proposta que amplia as hipóteses de crimes de preconceito.
 
O texto define os crimes resultantes de discriminação e preconceito de raça, cor, sexo, religião, aparência, condição social, descendência, origem nacional ou étnica, de idade ou condição de pessoa com deficiência.
 
O texto aprovado é um substitutivo do relator, deputado Henrique Afonso (PV-AC), ao Projeto de Lei 6418/05, do Senado, e a outras propostas que tramitam em conjunto.
 
A proposta revoga a lei atual sobre crimes de preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional (Lei 7.716/89).
 
Essa lei estabelece penas por discriminação para quem restringir o acesso em transportes ou proibir a entrada em locais como escolas, hotéis e restaurantes.
 
“Apesar de ter representado um esforço legislativo para reprimir a discriminação racial, a lei referida não atingiu a eficácia esperada e pouco contribuiu para reprimir a discriminação”, disse o relator.
 
Crimes e penas
A proposta define pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa para quem negar ou impedir o reconhecimento ou exercício de direito assegurado a outra pessoa por preconceito de raça, cor, sexo, religião, aparência, condição social, descendência, origem nacional ou étnica, idade ou de pessoa com deficiência.
 
Quem pratica, difunde, induz ou incita a discriminação ou preconceito, ou injuria alguém, ofendendo a dignidade e o decoro, com a utilização de elementos próprios da pessoa, também cometerá o mesmo crime.
 
A pena prevista pode aumentar em 1/3 em casos de discriminação:
contra menor de 18 anos;
 
por funcionário público no exercício das funções ou a pretexto de exercê-las;
 
com fabricação e veiculação de símbolo, propaganda de qualquer natureza que negue o holocausto ou utilize a cruz suástica ou gamada para divulgar o nazismo;
 
por meio de comunicação social, publicações de qualquer natureza e pela internet;
 
contra o direito ao lazer, à cultura, à moradia, à educação e à saúde;
 
contra a liberdade do consumo de bens e serviços;
 
contra o direito de imagem;
 
contra o direito de locomoção;
 
com a articulação de discriminação contra a mulher, idoso, pessoas com deficiência e membros de comunidades tradicionais.
 
A pena será aumentada da metade (totalizando de 1 ano e 6 meses a 4 anos e 6 meses), se a discriminação acontecer com lesões corporais; maus tratos; ameaça; ou abuso de autoridade.
 
Tramitação
A proposta tramita em regime de prioridade e será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de seguir para o Plenário. (Agência Câmara Notícias)
Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE