01 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Colunas

Coluna Ampla Visão

BALANÇO NEGATIVO
Pedro Chaves não ouviu a opinião dos experientes, mas já percebeu o equívoco ao embarcar na equipe de Bernal. Seu desgaste é visível, com chances de repercutir negativamente no futuro devido as arestas criadas. Mas não foi por falta de aviso: Bernal lembra a figura de Narciso, só ouve o próprio espelho. 
 
SINUCA A tentativa de reeleição pode ser o caminho de volta de Azambuja. Seu partido não tem a musculatura para sustentar projetos maiores. Ele não pode se fiar na votação obtida na capital em 2012 dentro de um cenário atípico.
 
DESGASTES Em 2012 Azambuja perdeu a eleição em Maracajú (sua referência política) com o candidato a vice da chapa encabeça pelo então prefeito Celso Vargas. Para os observadores a derrota foi emblemática, desastrosa!
 
E MAIS... Dos 4 deputados estaduais, só Dione saiu-se bem com a eleição do marido em N. Andradina. Onevan foi derrotado pelo sobrinho em Naviraí, Marcio Monteiro perdeu a prefeitura de Jardim e Rinaldo apoiou Azambuja na capital. 
 
O RECADO A cúpula tucana não aceita a tal aliança branca com o PT. Pegaria mal para o partido em outros Estados. Hoje o PSDB tem 90 vereadores e 12 prefeituras, com Sidrolândia sendo o maior colégio. Convenhamos: é muito pouco! 
A PERGUNTA: O eleitor será grato ao político que reivindicou a obra e benefício, ou àquele que efetivamente materializou essa aspiração popular? Pelas placas das obras e propagandas, os dividendos caem sempre no colo do ‘paizão’ Governo. 
 
DISCURSOS Entre os pretendentes ao Governo do Estado eles tem mais identidades do que diferenças. Falam em desenvolvimento, justiça social, geração de emprego com atração de indústrias e investimentos na área da saúde principalmente. 
 
PESARÁ assim o escopo (atributos pessoais) do candidato através do arco de alianças que formar. Mas não se pode esquecer o cenário nacional e eventuais respingos de insatisfação espalhando-se como rastilho de pólvora nas ruas do país. 
 
VAI E VEM A Copa do Mundo está sendo vista com um certo alívio porque evita a antecipação da corrida eleitoral e de consequentes gastos. Na verdade ninguém aguenta mais uma campanha longa e onerosa. Sucessão estadual exige bolsos fundos. 
 
EVIDENTE Os dirigentes sabem: a sobrevivência dos partidos depende do Planalto. Sem espaços ficarão no sereno e sem instrumentos para o exercício da política, que é atender os anseios populares e seus compromissos de campanha.
 
COSTURAS Não começam nas prefeituras/câmaras, mas no Governo. Lá está o arsenal de recursos que chegam aos quatro cantos do país, fazendo a diferença. Há um conjunto de ações e conveniências que sempre pesam muito neste tipo de eleições. 
 
PALANQUES Não há como fugir desta equação: cada candidato à presidência terá que ter seu próprio palanque em cada Estado. Aqui o desafio está posto para Aécio Neves e Eduardo Campos. Não há como imaginar outras alternativas conciliatórias. 
 
O QUADRO Além do PT, Dilma ganhará apoio dos aliados, incluindo-se aí o PMDB, seu sócio no poder. Esse fator pesa na proporção em que André reitera sua gratidão ao Planalto e manifesta a posição ‘pessoal’ de pedir votos para a presidenta.
 
RISCOS Nem tudo é um mar de rosas para Dilma. Tormentas podem ocorrer na economia e nas ruas. As manifestações de junho passado e esses ‘rolezinhos’ são vistos como ameaças a estabilidade social e um perigo durante a Copa do Mundo. 
 
SAÍDAS Maquiar a economia até é possível com concessões temporárias como nos preços dos combustíveis. Mas como reprimir manifestações sem lideranças de porte e cor partidária? Isso é como massa de pão: quanto mais apanha, mais cresce. 
 
LEMBRETE O Governo teme a repercussão, pois a mídia poderia registrar de perto eventuais manifestações. Isso poderia ajudar o discurso que a oposição ainda não tem pronto para a campanha. Isso é como lidar com cristais; delicadíssimo. 
 
SABEDORIA Os mineiros pregam: é preciso conviver com adversários e aliados. Sobre os últimos, comparam as rusgas de convivência no poder com aquele marido pobre – obrigado a suportar a mulher feia e rica. Ruim com ela, pior...
 

 

Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE