24 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
INTERNACIONAL

Biden diz que Irlanda do Norte não pode ter dano com Brexit e põe acordo em xeque

17 setembro 2020 - 06h38

A imprensa britânica repercutiu pesadamente o tuíte do candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, dizendo que um acordo comercial do seu país com o Reino Unido depende do respeito continuado pelo processo de paz da Irlanda do Norte. "Não podemos permitir que o Acordo da Sexta-Feira Santa, que trouxe paz à Irlanda do Norte, se torne uma vítima da Brexit", escreveu, citando o processo de separação dos britânicos da União Europeia (UE). "Qualquer acordo comercial entre os EUA e o Reino Unido deve estar condicionado ao respeito pelo acordo e evitar o retorno de uma fronteira rígida. Ponto."

As mensagens foram vistas como um aviso a Boris Johnson, que está prestes a violar a lei internacional ao mudar de postura sobre o divórcio unilateralmente. Na semana passada, ele enviou ao Parlamento britânico um projeto de lei que, entre outros pontos, mantém a Irlanda do Norte (que fica em uma ilha separada da Grã Bretanha e tem fronteira terrestre com a República da Irlanda, membro da UE) sob o domínio de Londres.

Biden também escreveu uma carta assinada em conjunto com quatro membros do Congresso americano em que exorta Johnson a "abandonar todo e qualquer esforço legalmente questionável e injusto". Ficou claro que, se vencer a eleição de novembro, a costura de um acordo comercial entre Reino Unido e Estados Unidos poderá sofrer mais atritos do que na gestão atual de Donald Trump, candidato à reeleição. No entanto, as negociações sobre o futuro comércio bilateral entre os dois países estão em banho-maria neste momento devido ao processo eleitoral.

O posicionamento de Biden na rede social foi feito justamente no dia em que Johnson enviou a Washington seu ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, com a tarefa de tranquilizar os aliados. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que as negociações comerciais com os britânicos estão progredindo bem e que via o país como um parceiro confiável. Além de serem um aliado histórico, os Estados Unidos são os maiores compradores de produtos britânicos depois da UE.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você apoia o retorno do ensino presencial em escolas públicas ainda no ano de 2020?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
pmcg ms
TJ MS