24 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
tce natal
ECONOMIA

Mercado bancário é concentrado, mas há competição, diz Campos Neto

26 fevereiro 2019 - 14h04
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fort Atacadista Natal

O economista Roberto Campos Neto, indicado pelo governo para a presidência do Banco Central (BC), disse hoje (26) que, apesar de o mercado bancário brasileiro ser concentrado, existe competição. Segundo Campos Neto, no Brasil não há mais concentração bancária do que em outros países, como Alemanha e Inglaterra.

Campos Neto foi submetido nesta terça-feira a sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Além dele, foram sabatinados Bruno Serra Fernandes e João Manoel Pinho de Mello, indicados para as diretorias de Política Monetária e de Organização do Sistema Financeiro do BC, respectivamente, e Flávia Martins Sant’Anna Perlingeiro, indicada para o cargo de diretora da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

De acordo com Campos Neto, apesar de haver competição, o spread (diferença entre taxa de captação do dinheiro pelos bancos e a cobrada dos clientes) ainda não é adequado. Ele afirmou que cerca de 35% do spread devem-se à inadimplência, 25% ao custo financeiro, 25% aos impostos e 15% ao lucro.

Sobre a inadimplência, o economista disse que um dos problemas atuais é a falta informação às instituições financeiras para melhorar a avaliação do cliente ao conceder o crédito. Ele defendeu a aprovação do Cadastro Positivo, em tramitação no Congresso, como forma de disseminar informação.

Segundo Campos Neto, depois da operação de crédito contratada, há problema com a recuperação dos recursos não pagos por inadimplentes. Ele disse que, a cada R$ 1, os bancos recuperam R$ 0,13, em quatro anos, enquanto, em países emergentes, recuperam-se 60% do prejuízo em cerca de um ano e meio.

Campos Neto também defendeu reformas para reduzir a burocracia, o incentivo à inovação tecnológica, ampliar o acesso das empresas ao mercado de capitais e a atuação de cooperativas de crédito. Ele lembrou que existe também espaço para “remodelar mais” os depósitos compulsórios (recursos que os bancos são obrigados a depositar no BC), reduzidos recentemente pela instituição.

Mello, indicado para diretoria de Organização do Sistema Financeiro do BC, disse que se compromete a avançar na agenda de redução do spread bancário. “A primeira tentativa é sempre fomentando a concorrência. Se houver mais para a frente, com muita calma. Mais para a frente, com avaliação ponderada, consideram-se outros instrumentos que possam ser aplicados. Os níveis de algumas taxas de juros são muito incômodos, e temos que trabalhar para melhorá-los”, afirmou Mello.

Roberto Campos Neto defendeu a autonomia do Banco Central, que já existe em outros países. Segundoo economista, a autonomia é somente para atingir as metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). “O Brasil é uma jabuticaba nesse sentido. Temos um sistema de metas de inflação, mas não temos independência”, afirmou. Ele acrescentou que a aprovação da autonomia, em tramitação no Senado Federal, facilitaria a entrada do Brasil em organismos internacionais, como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Após passar pela sabatina e aprovação na CAE, é preciso votação no plenário do Senado para que os indicados assumam o cargo.

Banner Whatsapp Desktop

Deixe seu Comentário

Veja Também

Mais Lidas

Comper sem sair de casa

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você pretende comprar na Black Friday?

Votar
Resultados
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia