29 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
ECONOMIA

Dólar sobe e vai a R$ 5,29 com expectativa por corte de juros

A expectativa, além de nova redução da taxa, é ver o que os dirigentes vão sinalizar pela frente

5 agosto 2020 - 17h10
Dolar
Dolar - (Foto: Divulgação)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Em novo dia de volatilidade no câmbio, o dólar firmou alta nos negócios da tarde desta quarta, 5, na medida em que se aproximava o final da reunião do Banco Central para definir a nova taxa de juros do Brasil, a Selic. A expectativa, além de nova redução da taxa, é ver o que os dirigentes vão sinalizar pela frente. Profissionais das mesas de câmbio dizem que se o BC deixar a porta aberta para futuros cortes, a pressão vai aumentar ainda mais no dólar. No exterior, a moeda americana caiu ante divisas fortes, para a mínima desde maio de 2018, e também recuou nos emergentes, em dia de indicadores mistos da atividade dos Estados Unidos e sem avanço nas negociações sobre o pacote fiscal americano.

Em sessão de expectativa pela decisão do BC, o real acabou ficando com o pior desempenho ante 34 moedas mais liquidas no mercado internacional. No fechamento, o dólar à vista encerrou em alta de 0,14%, cotado em R$ 5,2930, mas na máxima do dia foi a R$ 5,32. Já o dólar futuro para setembro, subia 0,27% às 17h30, em R$ 5,3020.

O BC deve divulgar o resultado da reunião de política monetária pouco depois das 18h. No Congresso hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil "ficou décadas com o câmbio artificialmente baixo", porque os juros eram altos, o que prejudicou a indústria.

Para o economista-chefe e sócio da Apex Capital, Alexandre Bassoli, a taxa de juros é baixa de forma inédita, mas ao mesmo tempo o Brasil convive com um nível elevado de risco fiscal, sobretudo após ser um dos países que mais elevaram gastos públicos com a pandemia. "Nesse contexto, é razoável que haja cautela muito grande em relação a quais vão ser os efeitos de novas reduções dos juros na dinâmica do câmbio", disse ele, hoje, em live do BTG Pactual. Um dos riscos é mais brasileiros decidindo alocar parte de seus recursos no exterior, o que pressionaria ainda mais o câmbio.

Para o economista-chefe da gestora Novus Capital, Tomás Goulart, o BC pode sinalizar fim do ciclo de cortes, mas querer deixar a porta "minimamente aberta" para nova redução. Ao mesmo tempo, ele observa que os juros historicamente baixos no Brasil têm importância para explicar a alta volatilidade recente no câmbio. Por isso, caso o BC sinalize que vai parar de reduzir a Selic, a volatilidade pode se reduzir. Para hoje, ele espera redução de 0,25 ponto porcentual, levando a Selic para 2%.

No exterior, em meio à indefinição sobre o pacote de socorro fiscal dos Estados Unidos, o dólar testou hoje novas mínimas. O índice DXY, que mede a moeda americana ante divisas fortes, como o euro e o iene, caiu para a casa dos 92 pontos, no menor patamar desde maio de 2018. "Sem pacote fiscal, sem alívio para o dólar", observa o analista sênior de mercados do banco Western Union, Joe Manimbo. Enquanto o pacote não vem, Manimbo destaca que os recentes indicadores mistos da economia americana só contribuem para deixar o dólar ainda mais enfraquecido. Cima.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS