29 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
EMPREENDIMENTO

Após meses de crise, construtoras retomam vendas de imóveis sem medo do coronavírus

Coragem e determinação são armas das empresas que apostam no crescimento das vendas de imóveis neste ano

8 agosto 2020 - 09h00Rosana Siqueira
Edifício The Place
Edifício The Place - (Foto: Cyro Clemente)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Repensar estratégias, ampliar medidas de biossegurança, e apostar na retomada das vendas ajudou várias incorporadoras do Estado a passarem pela pior fase da crise econômica provocada pela pandemia da Covid-19. Após um primeiro semestre de adequações e aprendizado sobre como lidar com a doença e os efeitos nocivos no mercado, as construtoras da Capital e do interior chegaram a ampliar as vendas em até 12%.

Animadas com os juros baixos nos bancos (os menores dos últimos tempos) a mudança de hábitos dos consumidores - que prezam muito mais a sua casa neste momento -, teve uma alta de 7% no valor dos imóveis. As incorporadoras mantém projetos, ampliam contratação de equipes e lançam novos empreendimentos em Campo Grande.

O primeiro semestre de 2020 apresentou a maior alta de financiamentos imobiliários dos últimos 10 anos e os preços dos imóveis subiram acima da inflação. Muitas empresas fecharam até mais negócios no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período do ano passado.  Apesar do enorme susto, estão se saindo muito bem. Por isso vislumbram um segundo semestre forte em comercialização e com juros ainda mais atrativos para o consumidor. A mola propulsora da construção não pára, pelo menos é o que mostram as empresas ouvidas pela reportagem especial do jornal A Crítica.

SBS Empreendimentos – Acelerando pesquisa e apostando em mais projetos

Phaena Spengler da SBS Empreendimentos aposta em novos projetos - (Foto: Divulgação)

A pandemia fez com que a SBS Empreendimentos repensasse suas estratégias. Mas ao invés de recuar nos planos, a empresa acelerou projetos e aumentou a equipe. "Na SBS Empreendimentos aceleramos pesquisas, levantamentos, aumentamos equipe visando lançar novos projetos, o ritmo estava acelerado. Com a pandemia tudo acabou sendo repensado. Levando em conta que estamos há quase seis meses dentro da fase mais aguda da crise, posso dizer que estamos nos saindo com muito sucesso. Tudo já foi retomado e temos tido bons resultados sempre reinventando ações", explicou a executiva da empresa Phaena Spengler.

Ela destaca que as vendas não pararam, assim como o ritmo das obras. "O mercado imobiliário e a cadeia produtiva da construção são a "bola da vez". A queda dos juros trouxe um estímulo que nunca foi visto antes e ampliou o público apto a financiamentos imobiliários. O imóvel volta a ser um investimento valorizado e há diversos estudos mostrando que quem investiu em imóveis nos últimos 10 anos teve um ótimo retorno", salientou a empresária.

Para garantir a segurança dos trabalhadores, Phaena conta que paralisaram todas as obras na segunda quinzena de março. Tudo ficou suspenso por 15 dias.  "O momento foi fundamental para aprendermos as novas necessidades de higiene e prevenção. Nos dedicamos a fazer uma série de comunicados para nossos colaboradores, contratamos um médico para a orientação de todos os funcionários e sobre as novas práticas, fizemos a reorganização dos canteiros de obra com o enfoque no distanciamento entre as pessoas e adotamos uma série de protocolos de prevenção, como a verificação da temperatura na entrada do expediente. Comunicamos todos os clientes sobre o que estávamos adotando e sobre o andamento dos cronogramas. A equipe de escritório foi colocada em home office. Tivemos tranquilidade para adotar estes procedimentos e agora já nos sentimos seguros sobre as novas condutas", comentou. Passado o primeiro semestre a empresária diz que todas as obras foram retomadas.

Ela destaca que as vendas não pararam, assim como o ritmo das obras - (Foto: Divulgação)

Já o segundo semestre, é visto com muito otimismo pela empresária da SBS. "Colocamos no mercado campo-grandense um empreendimento com uma proposta única. O Vista, é um condomínio com diversos equipamentos inteligentes, inclusive, um escritório coworking e uma área de lazer completa na cobertura na melhor localização de Campo Grande. Isso é surpreendente, já que a pandemia colocou muita gente em home office e já estávamos projetando isso. Para nós, nos dá a certeza que estamos entendendo e atendendo o mercado, com base em muita pesquisa", salientou.

Ela conclui dizendo que a expectativa é de grande retomada no segundo semestre, impulsionada por uma oferta adequada ao momento, com produtos alinhados com que as pessoas precisam e um maior acesso a financiamentos imobiliários, com taxas baixas.

 "O cliente está mais atento ao que precisa, mudando seus conceitos de moradia, de investimento e estamos muito ligados ao movimento do mercado.  O que vemos é que o segmento imobiliário oferece os investimentos mais estáveis e promissores e também está pronto para realizar o sonho da moradia que está em franca transformação. As taxas de juros para financiamento, que é o grande vetor de mercado, são as mais baixas da história e as pessoas estão aproveitando para adquirir seu imóvel. Estamos bastante otimistas", finaliza ela lembrando que a empresa está retomando os lançamentos.

HVM Incorporadora – Sem se intimidar com a pandemia

"Acreditamos  muito na competitividade dos investimentos", diz Holsback - (Foto: Divulgação)

A HVM Incorporadora não se intimidou com a pandemia, como explica o diretor executivo da empresa, Rodolfo Luiz Holsback. " Em junho tivemos o lançamento do NEO Vivendas do Bosque. Apesar das incertezas por conta da pandemia, decidimos apostar na exclusividade e diferenciais do projeto e lançá-lo no mercado em condições adversas. Os resultados foram bastante animadores", salienta o empresário.

Ele comenta que o primeiro semestre teve balanço positivo. "Nos dois primeiros meses de pandemia o volume de visitas em nossa central ficou bastante baixo e o número de leads também. Mas no momento seguinte percebemos uma boa melhora, refletindo o bom momento do mercado imobiliário. Os leads ganharam força e fizemos nossa primeira venda 100% on-line, que também reflete o investimento na empresa nos canais digitais", enfatizou.

Neo Vivendas do Bosque é lançamento da HVM Incorporadora - (Foto: Bona Fotos)

 As perspectivas da HVM são boas para o segundo semestre de 2020. "Acreditamos muito na competitividade do investimento imobiliário frente a outros investimentos. Seguimos trabalhando em novos projetos, com ótimos diferenciais e o DNA da HVM, e em breve teremos novidades!", concluiu.

Plaenge – Recalibrando as perspectivas

Édison Holzmann, diretor da Plaenge está otimista em retomar as vendas - (Foto: Marcos Vollkopf)

Uma das mais renomadas e antigas construtoras que atuam no mercado imobiliário da Capital, a Plaenge, chegou a temer os efeitos negativos da pandemia, à primeira vista. No entanto, segundo o diretor Édison Holzmann, os resultados acabaram se aproximando bastante, do planejamento, projeções e estimativas da empresa. "É claro que a pandemia fez com que recalibrássemos todas as atividades e nos adequássemos as novas condições. Mas de forma geral, conseguimos manter nossos objetivos e isso se refletiu em um bom volume de negociações e vendas em nossas empresas, tanto nas operações do Brasil quanto das operações do Chile", avaliou.  

O Grupo Plaenge em Campo Grande atualmente conta com sete obras em andamento, sendo quatro torres da Plaenge (Park Platinum, Lumini, Tempranillo e The Place – Torre 2), dois prédios na Vanguard (Vivet e Acqua Verano – Torre 2) e na Plaenge Urbanismo estão construindo o primeiro loteamento horizontal, o Riviera Home Club.

Em fevereiro, foi entregue aos clientes a torre Graciano. Em julho, a Plaenge realizou o lançamento do Toscana e neste mês, vai ser entregue, o empreendimento comercial The Place Corporate – Torre 1, dentro do Shopping Campo Grande, trazendo tecnologia de última geração e inédita na Capital, com sistema de automação semelhantes ao Burj Khalifa (Dubai) e do recente atualizado Empire State Building (Nova Iorque). 

Segundo ele, outro ponto que colaborou com o resultado foi a redução da Taxa Selic, que impactou positivamente na queda da taxa de juros nos financiamentos imobiliários e a movimentação dos bancos. "Isso fez com que os clientes aproveitassem esse momento para realizar o sonho do imóvel próprio e também buscar por um investimento seguro e com rentabilidade muito competitiva, ante as condições adversas do mercado financeiro e bolsas, que hoje exigem risco, para não terem rendimento negativo", afirmou. 

"E neste ano em que comemoramos 50 anos de Plaenge, destes 32 em Campo Grande, também fomos reconhecidos como a 6ª maior construtora do país pela Intec Brasil, maior empresa de inteligência comercial no ramo da construção civil brasileira", afirma o diretor executivo da Plaenge. 

Com relação as medidas de segurança para evitar a covid entre os colaboradores, o Grupo Plaenge encarou as dificuldades com segurança, serenidade, transparência e muita prudência. "Logo no início da pandemia adotamos medidas para preservar a saúde dos nossos colaboradores e dos nossos clientes", acrescentou.  

Plaenge entregou inúmeros prédios, entre eles o edifício Graciano - (Foto: Cyro Clemente)

Ele destaca que boa parte da equipe administrativa da Plaenge está em home-office e 40% está trabalhando com as medidas de segurança nos escritórios. As medidas tomadas pela incorporadora foram inclusive destaque nacional na Câmara Brasileira da Industria da Construção (CBIC).  

O diretor da empresa conta que a Plaenge tem projetos prontos, outros em fase de aprovação, da Plaenge, da Vanguard e da área de Urbanismo para esses meses finais de 2020. "Estaremos monitorando e confirmando esses lançamentos à medida que vamos sentindo a demanda e condições de viabilizá-los", destacou. 

O empresário avalia que o mercado vem reagindo de maneira até surpreendente neste momento. "As medidas econômicas, em boa parte, surtiram efeito e estamos sentindo isso com as nossas movimentações nas obras, na preservação de empregos; nos bancos, com suporte nas operações de financiamento e nas vendas, com um volume de clientes que nos procura a cada dia", concluiu.

Saraiva – Crise mostra novas oportunidades

Construtora Saraiva Rezende aposta em lançamentos na Capital e interior - (Foto: Divulgação)

"Este momento nos faz refletir sobre a máxima de que a crise, apesar das dificuldades, mostra novas oportunidades. Diante disso, o setor da construção civil está obtendo resultados satisfatórios, e acredito que com segurança, força de vontade e trabalho, vamos superar este momento". A afirmação é do empresário Jadir Saraiva de Rezende, da Construtora Saraiva que está com duas obras em andamento no Estado. Uma delas é o Edifício Gibran em Campo Grande. "É um dos nossos projetos destaque, e acredito que os sul-mato-grossenses serão surpreendidos por ele", afirmou.

Ele destaca que mesmo diante às dificuldades da crise do coronavírus, a empresa soube se adaptar. E mais ainda, tiveram crescimento de 5% no primeiro semestre em relação ao anterior, no ano passado.

"São três os novos projetos que estamos viabilizando. Um deles, é claro, está planejado para acontecer em Campo Grande. Muito em breve, todos irão conhecer os novos e exclusivos projetos da construtora, para diferentes cidades do Brasil!", adiantou.

Mesmo com a crise, houve um crescimento de 5% no primeiro semestre em relação ao anterior, no ano passado - (Foto: Divulgação)

Com relação às medidas de segurança, Saraiva destaca que a empresa sempre prezou pela segurança de todos os colaboradores, e dessa vez não foi diferente. "Para este momento, nós adotamos novas medidas, visando a proteção dos nossos funcionários", afirmou.

"Bons ventos sopram sobre o mercado imobiliário"

De acordo com informações do presidente do Sindimóveis-MS, João Araújo Filho "os bons ventos voltam a soprar sobre o mercado imobiliário de Campo Grande". O aumento na procura por imóveis tanto para venda quanto locação chegou a crescer 30%. Além disso a Caixa Ecnômica Federal lançou um pacote de medidas em relação a financiamentos da casa própria e empresas ligadas ao setor habitacional: ITBI Financiáveis e Novo Programa Minha Casa Minha Vida.

"Houve aquecimento em relação ao ano passado, com as novas linhas de financiamento que vieram aquecer o mercado, facilitando a vida de quem deseja comprar sua casa própria", sinalizou.

O presidente do Sindimóveis-MS, João Araújo Filho (Foto: Arquivo)

Uma das notícias positivas para o setor foi que a Caixa Econômica Federal, lançou um pacote de medidas em relação a financiamentos da casa própria e empresas ligadas ao setor habitacional: ITBI Financiáveis e Novo Programa Minha Casa Minha Vida.

O ITBI e outros emolumentos representam até 4% do valor do imóvel. A Caixa Econômica Federal promete injetar R$ 2,4 bilhões.

A Portabilidade Financeira foi outro instrumento que impulsionou o setor. De 2019 para cá cresceu 200%. Ela permite a transferência de financiamento imobiliário de uma instituição financeira para outra - semelhante a portabilidade de linha telefônica. O financiamento mantém o mesmo prazo do contrato, porém, permite diminuir as taxas de juros.

 

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
TJ MS
pmcg ms