22 de novembro de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
ead tce
Saúde

Diagnóstico tardio ainda é o maior problema para o tratamento da Esclerose Múltipla

29 agosto 2012 - 13h12

Por ser invisível e silenciosa, na maior parte dos casos, a Esclerose Múltipla é mais uma entre tantas doenças de difícil constatação e de tratamento tardio. Dados da Federação Internacional de Esclerose apontam para existência de mais de 2,5 milhões de pacientes diagnosticados em todo o mundo. No Brasil, segundo a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), são mais de 30 mil portadores. Desse total, apenas cinco mil recebem tratamento adequado devido à lentidão no diagnóstico. A demora para que o paciente chegue ao diagnóstico dura alguns anos, conforme o patologista clínico e especialista em líquor, Carlos Senne, diretor-presidente do Senne Líquor Diagnóstico.

“Muito dessa resistência em procurar o médico está no desconhecimento dos sintomas, que surgem em surtos e podem causar tontura, dormência em membros, desequilíbrio e dificuldades para enxergar”, explica Senne. Considerada de difícil diagnóstico, por conta dos sintomas semelhantes a outras doenças, a Esclerose Múltipla tem no exame de líquor um excelente método de diagnóstico, pois pode demonstrar a existência de intensa atividade imunológica com produção de anticorpos intratecais. Porém, o dado liquórico mais importante e útil no diagnóstico da EM é a presença de bandas oligloconais, que ocorre em mais de 90% dos casos.

Apesar do susto, o diagnóstico precoce da Esclerose Múltipla deve ser comemorado pelos pacientes, já que este é fundamental para o tratamento da doença. Senne explica que reconhecer os sintomas da Esclerose Múltipla não é tarefa fácil, já que as alterações neurológicas reagem em diversas partes do corpo. “Os sintomas da EM se parecem com muitas doenças nutricionais, vasculares e infecciosas, o que pode confundir pacientes e fazer com que os mesmos procurem outros especialistas e nunca um neurologista em primeiro lugar”, diz.

A doença não tem cura e acomete principalmente adultos jovens, em sua maioria mulheres, com pico de incidência dos 30 aos 40 anos. Segundo Senne, a EM se revela em uma fase da vida que o sistema imunológico é forte, mais combatente e reage melhor aos avisos que o organismo passa com maior intensidade. “Na esclerose, a informação dada ao sistema imunológico é errada, mas a reação é mais rápida e intensa, por isso os surtos da doença podem ser mais severos na juventude”, explica o especialista.

O Dia Nacional de Conscientização da Esclerose Múltipla, instituído em 2006 como 30 de agosto, foi criado para levar informações ao público leigo sobre a doença, esclarecendo como ela se manifesta, seus sintomas, a importância do diagnóstico precoce e as principais formas de tratamento. A data foi escolhida em comemoração ao aniversário da fundadora da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla, Ana Maria Amarante Levy.

Sobre o Senne Líquor Diagnóstico - Há 40 anos dedicando-se à análise do líquido cefalorreaqueano – o líquor, como é conhecido, o laboratório Senne Líquor Diagnóstico tornou-se um dos mais respeitados e experientes centros de diagnóstico e acompanhamento da Esclerose Múltipla no país. Tornou-se o primeiro laboratório do Brasil em sua especialidade a obter as certificações ISO 9001 (em 2001) e ONA Pleno (em 2009), pela Fundação Vanzolini. Desde outubro de 2010, o laboratório atende na cidade de Campinas, em sua primeira Unidade Avançada fora da capital paulista e agora inicia suas atividades na cidade de Goiânia. “São 40 anos de experiência sempre com a preocupação de garantir a qualidade e atender as necessidades e expectativas de médicos e pacientes", finaliza Senne.

TJ MS Novembro