20 de setembro de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Andorinha3
OAB/MS

OAB/MS cumpre papel de ouvir e ser a voz da sociedade, destaca presidente

15 maio 2019 - 12h10 Por Da redação

A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), tem atuação firme em várias pautas, mas segundo o presidente Mansour Elias Karmouche, o combate a violencia contra a mulher e abusos a crianças e adolescentes esta sendo prioridade neste mês em que a Campanha Maio Laranja, de combate e prevenção ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes vem sendo discutido. “Este mês fomos convidados para dar mais um apoio a essas ações voltadas ao combate, à violência e a explorações sexual de crianças e adolescentes. O apoio institucional da OAB/MS é muito importante, pois além desse apoio, cobramos as autoridades sobre esses crimes cometidos. A OAB-MS sempre estará de portas abertas para este tipo de apoio”, diz.

Karmouche também explica sobre a importância da inclusão dos deficientes físicos na sociedade. “Quando uma pessoa que paga seus impostos, é um cidadão e tem o seu direito restrito de ir e vir, esta pessoa não esta incluída na sociedade. O que precisamos é incluir essas pessoas, os idosos também, no âmbito da sociedade. Nós temos vários instrumentos que facilitam a locomoção, mas o ingresso dessas pessoas em prédios públicos, no meio urbano. Isso tudo são políticas que fazemos pensando no cidadão como um todo”, explica.

Alguns advogados estão promovendo ações populares contra medidas de prefeitos, governadores e até mesmo da própria comunidade quando é percebida por agentes públicos. Segundo Karmouche, isso é essencial, pois o advogado representa a sociedade. “Isso é muito importante, pois o advogado é a voz da cidadania. Ontem foi aprovada no Congresso Nacional a autorização da ordem de forma expressa a promover ações civis publicas, e isso é um grande avanço. Em breve deve ser aprovado a OAB/MS a mover ações civis publicas. A Ordem tem esse papel de dar apoio não só institucional, mas fazer um papel cidadão”, finaliza.

 

TJMS