20 de fevereiro de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TRAGÉDIA EM MARIANA

Investimento em manutenção em Mariana foi alvo do MP no caso Samarco

Já o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, da Vale, no dia 25 de fevereiro deste ano, deixou pelo menos 150 mortos e há mais de 180 desaparecidos, segundo os dados mais recentes

8 fevereiro 2019 - 20h58

Possíveis cortes de investimentos na manutenção de barragens de rejeitos também foram um assunto que rondou as investigações envolvendo a mineradora Samarco, empresa que tem a Vale e a BHP como sócias. Nesse caso, uma denúncia do Ministério Público Federal decorrente do rompimento em Mariana (MG) levantou críticas à atuação da empresa na redução de gastos para a segurança de barragens. Segundo cálculos do órgão, "a restrição de gastos com geotecnia (segurança), no ano de 2015, em relação à equivalência do orçamento de 2012, foi de 41%".

Conforme a denúncia do MPF, para que o resultado financeiro não fosse afetado pelo cenário de queda contínua dos preços do minério de ferro, "segundo a empresa eram necessárias medidas como 'redução de custos de produção', 'esforço na eficiência do processo', 'ganhos de produtividade', 'austeridade na gestão de custos de produção', o que ocorreu, especialmente, na atividade de geotecnia", relata a denúncia.

O rompimento da barragem da Samarco em Mariana completou três anos em 5 de novembro do ano passado. Com o rompimento, cerca de 39 milhões de metros cúbicos de rejeitos foram liberados. No total, 19 pessoas morreram, comunidades foram destruídas e os dejetos atingiram a bacia do Rio Doce, que deságua no Espírito Santo.

Já o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, da Vale, no dia 25 de fevereiro deste ano, deixou pelo menos 150 mortos e há mais de 180 desaparecidos, segundo os dados mais recentes.

TJMS
Camara Municipal