14 de dezembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
BANNER TCE - E-Extrator PI 3492/2018 (13/12 até 17/12)
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
DESAFIOS

Especialista aborda os desafios da educação de crianças surdas

Capacitação dos professores, inclusão de profissionais especializados nas escolas e melhorias nas estruturas das salas podem facilitar o processo de aprendizagem

24 agosto 2018 - 09h25Da redação com informações da assessoria
Reconhecida desde 2002, a linguagem de libras é a forma mais comum para que surdos se comuniquem.
Reconhecida desde 2002, a linguagem de libras é a forma mais comum para que surdos se comuniquem. - Divulgação

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE), quase 17% da população brasileira é deficiente auditiva, sendo que 3 a cada 200 crianças nascem surdas. Porém, a educação inclusiva ainda não acontece na maioria das escolas.

Reconhecida desde 2002, a linguagem de libras é a forma mais comum para que surdos se comuniquem. Mas as escolas que não adotam o método da educação inclusiva apresentam dificuldades em ensinar estudantes surdos.

Pela experiência do psicólogo Vitor Matos, do Hapvida Saúde, poucas escolas e instituições possuem um quadro de profissionais capacitados em atender a demanda para auxiliar a aprendizagem do surdo, além da língua de sinais. Por isso, a importância da integração como uma forma de adaptar o aluno ao sistema preestabelecido. "Soluções como a colocação e valorização dos intérpretes, a capacitação dos professores, a inclusão de profissionais como psicopedagogo e psicólogo nas escolas, melhorias nas estruturas das salas podem facilitar o processo de aprendizagem da criança surda. Desta forma, será mais fácil lidar com os aspectos cognitivos e comportamentais, auxiliando no processo criativo e espontâneo em lidar com as novas situações", conta o especialista.

Outra dificuldade está na linguagem que a criança surda está inserida que, muitas vezes, participa de ambientes em que a língua oral é predominante. Muitos pais ouvintes começam a ensinar gestos e mímicas para que a criança compreenda alguns comportamentos. No entanto, se não for uma escola que contribua para a aprendizagem em libras, acaba dificultando o processo e a criança apresentará dificuldades em se relacionar.

O acompanhamento dos pais no processo educativo da criança é de extrema importância, pois chegará um momento em que a criança aprenderá libras e se os pais ouvintes não desenvolverem essa prática, poderão se sentir impotentes devido à falta de conhecimento desta língua, prejudicando sua relação com o filho.

"Entre os principais desafios, o primeiro é a não aceitação do diagnóstico da surdez, no qual muitos pais não se sentem à vontade de brincar com seus filhos pela falta do ouvir, tornando difícil sua interação com a criança. A superproteção acontece bastante por acreditar que o filho não vai se desenvolver, impedindo a sua inclusão e o desenvolvimento de habilidades", explica Matos.

fullbanner-prestacao-contas-468x60px-cmcg-nov18
Rubeola