25 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
JUSTIÇA TRABALHISTA

Centro de Conciliação do TRT garante agilidade nos processos

Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas de Campo Grande já recebeu 3.140 processos trabalhistas que somaram R$ 3.343.335,52 em acordos

13 março 2018 - 10h02Da Redação com assessoria
Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (CEJUSC-JT) de Campo Grande completa um ano de funcionamento
Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (CEJUSC-JT) de Campo Grande completa um ano de funcionamento - Divulgação

Nesta terça-feira (13), o Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (CEJUSC-JT) de Campo Grande completa um ano de funcionamento. O CEJUSC, inaugurado no dia 13 de março de 2017, já recebeu 3.140 processos trabalhistas que somaram R$ 3.343.335,52 em acordos.

A unidade funciona no Fórum Trabalhista da Capital e recebe os novos processos envolvendo reclamações entre patrões e empregados de quatro das sete Varas do Trabalho de Campo Grande. Do total de ações recebidas pelo Centro de Conciliação, 20% foram solucionadas pelo CEJUSC e o restante foi encaminhado para as varas para julgamento.

O coordenador do CEJUSC de Campo Grande, Juiz do Trabalho Boris Luiz Cardozo de Souza, garante que o Centro de Conciliação contribuiu para desafogar a pauta e os serviços das Varas do Trabalho, além de diminuir o prazo de realização das audiências. "Nós realizamos as audiências inicias das varas abrindo pauta para que elas realizem as audiências de instrução em um tempo menor. Dessa forma, o processo pode estar apto para julgamento em 5 ou 6 meses após a distribuição", reduzindo pela metade o tempo de tramitação até a audiência de instrução.

Para a advogada Agnesperla Zanettin o balanço do primeiro ano de funcionamento do Centro de Conciliação de Campo Grande é positivo. "De todas as audiências que eu participei no CEJUSC 90% deram acordo. A celeridade está muito boa, porque as audiências estavam se prolongando demais e agora não. Você vem, já faz o acordo e o cliente sai satisfeito".

"A ideia é que a primeira audiência realizada pelo CEJUSC não passe de 60 dias da data que o processo foi distribuído e que a gente tenha uma possibilidade efetiva de solucionar a ação", explica o juiz Boris Luiz Cardozo de Souza.

Foi o que aconteceu com Rogério Ramos que sofreu um acidente de trabalho em uma transportadora e cinco meses após dar entrada na ação conseguiu fechar um acordo no CEJUSC. "A médio e curto prazo o resultado foi bom, porque se deixasse rolar, de repente, ficaria um ou dois anos parado na Justiça e ao meu ver foi ótimo porque esse dinheiro vai me ajudar bastante", afirma o trabalhador.

Quem também saiu satisfeita foi a costureira Maria Auxiliadora Duarte que entrou com um processo pedindo o pagamento do aviso prévio e uma indenização por danos morais. A conciliadora conseguiu que o empregador e a funcionária chegassem a um acordo, resolvendo a reclamação trabalhista rapidamente. "Nós fizemos uma proposta de R$ 2.500,00 divididos em cinco parcelas. É bom para a reclamada que não fica com uma ação tramitando na Justiça e para a reclamante que vai receber. Todos saem felizes com a sensação de dever cumprido", avalia o advogado da empresa, Filipe Rosa da Cruz. 

Funcionamento

O Centro de Conciliação de Campo Grande conta com um juiz e quatro conciliadores que realizam a primeira audiência do processo, além de três servidores e quatro estagiários. Quando não há acordo as partes já saem da audiência com a data marcada para que a Vara do Trabalho realize a audiência de instrução. "O objetivo agora é que todas as sete varas da Capital façam as audiências iniciais no CEJUSC e que a gente consiga aumentar o número de acordos. Nós queremos evoluir mais em relação à cultura da conciliação, de tentar solucionar o litígio entre as próprias partes sem que o juízo se envolva, mas seja um mero facilitador do acordo entre as partes para que elas estabeleçam qual será a solução e o tempo que elas levarão resolvendo o caso", defende o coordenador do CEJUSC/Campo Grande.

A criação do CEJUSC atendeu a Resolução Nº 147/2016 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), que determinou a manutenção dos Centros de Conciliação em todos os Tribunais Regionais do Trabalho do país.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
PMCG - CORTESIA
SOLURB
tj ms agosto