14 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Banner Senar MS - Paisagens Rurais (10/08 a 20/08)
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
SAÚDE

Pico de bronquiolite deve ocorrer neste segundo semestre

Andressa Tannure, pediatra, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e especialista em Suporte de Vida em Pediatria pelo Instituto Sírio-Libanês e pelo HCOR

2 julho 2020 - 07h50
Andressa: Deve-se garantir que a criança esteja muito bem hidratada, para ajudar também na fluidificação e eliminação das secreções
Andressa:" Deve-se garantir que a criança esteja muito bem hidratada, para ajudar também na fluidificação e eliminação das secreções " - Foto: Divulgação
FAMASUL - SENAR

A pandemia mudou radicalmente o perfil das internações infantis neste ano. No período de março a julho, as hospitalizações por bronquiolite costumam atingir seu maior pico, lotando enfermarias e unidades de terapia intensiva (UTI). Com o isolamento social e o afastamento das crianças das creches e escolas, as infecções respiratórias diminuíram. Porém, se já não bastasse o coronavírus, com a chegada das baixas temperaturas e, provavelmente, o retorno às aulas, é esperado que o pico da infecção por bronquiolite ocorra no segundo semestre.
 
A bronquiolite é uma inflamação dos bronquíolos, que são a parte final da “tubulação” do pulmão, cuja função é levar o ar até nossos alvéolos, onde ocorre a respiração. Essa inflamação provoca um edema das vias aéreas e um aumento da secreção no seu interior, dificultando a respiração. Ocorre principalmente em crianças abaixo de 2 anos (predominando entre 6 e 12 meses), que têm as vias aéreas mais estreitas, a maioria dos casos é leve, e se trata em casa. Mas também pode ser potencialmente grave.
 
A bronquiolite pode ser causada por diversos tipos diferentes de vírus. Esse vírus é espalhado através da tosse ou espirros por pessoas infectadas, em secreções ou saliva. São vírus comuns que, em adultos e crianças maiores, causam um resfriado, mas, nos bebês, pode causar a bronquiolite. Um dos vírus mais frequentes é o vírus sincicial respiratório (VSR), responsável por 50 a 80% dos casos.
 
O quadro clínico inicial é o mesmo de um resfriado comum: coriza, um pouco de tosse, espirros, podendo ter febre ou não. Com o tempo, a tosse vai piorando e a respiração pode ficar mais rápida e mais difícil. A criança parece estar sempre “cansada”. Pode-se ouvir sibilos (chiado no peito), dito popularmente que parece “um gatinho” no pulmão.
 
Deve-se estar alerta para os sinais de esforço respiratório: batimento de asa nasal (as abas do nariz abrindo e fechando), um afundamento da barriga e da região na base do pescoço, assim como o aparecimento das costelas, decorrente da tentativa de ajudar na respiração. Em casos mais graves, a criança pode ficar com os lábios e extremidades roxas, gemente, sonolenta e até apresentar pausas respiratórias.
 
Nos casos leves, a doença pode durar poucos dias. Em outros casos, pode ocorrer piora progressiva, com pico entre o 3º e 5º dia da doença, quando só então começa a melhorar. A tosse e o chiado podem persistir por até 3 a 4 semanas, no total.
 
A bronquiolite pode ser especialmente grave em crianças com doenças crônicas, como cardiopatias ou doenças pulmonares, prematuros e imunodeficientes. Entre as complicações que podem ocorrer nos casos mais graves podemos citar desidratação (pela perda de líquidos e baixa ingestão), pneumonias, atelectasias (obstrução dos brônquios por secreções) e oxigenação deficiente do sangue, levando a uma insuficiência respiratória.
 
O diagnóstico é clínico. Exames subsidiários como raio X e hemograma, em geral, servem apenas para afastar complicações. Pode ser feita pesquisa para alguns dos vírus causadores nas secreções do paciente. Outros exames raramente são necessários.
 
O tratamento é feito principalmente com inalações com soro fisiológico 0,9%, para umidificar as vias aéreas e fluidificar as secreções. Nenhuma outra medicação tem seu efeito comprovado e não é usada rotineiramente. A criança deve ficar em repouso e sentada ou deitada em berço inclinado (ângulo de 30-40º), mantendo o pescoço levemente estendido para facilitar a respiração.
 
Deve-se garantir que a criança esteja muito bem hidratada, para ajudar também na fluidificação e eliminação das secreções. Pode ser indicada fisioterapia respiratória em alguns casos. Antibióticos não têm efeito contra o vírus. Só são usados em caso de complicações bacterianas secundárias. Em caso de insuficiência respiratória, a criança deve ser hospitalizada e oferecido oxigênio.
 
E qual o segredo para se evitar a bronquiolite? Como outras doenças virais de alta transmissibilidade, a melhor prevenção é evitar o contato das crianças pequenas com indivíduos com sintomas gripais. Na medida do possível, deve evitar também ambientes fechados com aglomerados de pessoas, áreas muito poluídas e fumaça de cigarro, que é um grande irritante das vias aéreas, e a lavagem das mãos, que é primordial. Não esquecer que a amamentação com leite materno exclusivo também diminui formas graves da doença. Não há vacina específica contra a bronquiolite. Existe uma vacina contra o VSR, mas suas indicações são bem restritas. Fique atento aos sintomas.

Banner Whatsapp Desktop
agecom - fullbanner
Cornavirus