22 de janeiro de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
campanha da SEGOV – IPVA 2019
ARTIGO

Aumente a sua inteligência

Os hemisférios esquerdo e direito de nosso cérebro têm propriedades diferentes

22 dezembro 2018 - 07h25Dr. Lair Ribeiro
Dr. Lair Ribeiro é Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa
Dr. Lair Ribeiro é Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa - Divulgação

Os hemisférios esquerdo e direito de nosso cérebro têm propriedades diferentes. O segredo do sucesso é balancear os dois.

Como a nossa educação valoriza o hemisfério esquerdo, o direito se inibe. Pode-se dizer que ele vai definhando pela falta de uso. Para reverter essa atrofia e obter um balanceamento, vamos nos concentrar na expansão do hemisfério direito, que é a porta de entrada para o inconsciente.

Quando as pessoas começam a desenvolver o hemisfério direito do cérebro, costumam dizer coisas como: “Eu pensava que era inteligente, agora vejo o quanto tinha para melhorar”. O que ocorre é uma mudança na referência que essas pessoas tinham.

Uma fonte de idéias

As grandes idéias vêm todas do hemisfério direito do cérebro. E, para o hemisfério direito trabalhar, você tem de estar relaxado.

Sabe como Albert Einstein descobriu a teoria da relatividade? Deitado numa rede, no fundo do quintal de sua casa, imaginando que viajava num raio de luz.

E sabe como Arquimedes descobriu o princípio que leva o seu nome? O rei ganhara de um vizinho uma coroa de ouro e Arquimedes, sábio da corte e reconhecido matemático, foi chamado para descobrir, sem destruir a coroa, se ela era mesmo de ouro ou se tinha prata misturada. Ele disse que isso era impossível. E o rei disse que, impossível ou não, ele tinha cinco dias para resolver o problema. Se não conseguisse, seria decapitado ao final do quinto dia. (Boa motivação, não?)

Arquimedes foi para casa, ba­talhou, batalhou, até que desistiu de resolver o problema e foi tomar um banho. Estava na banheira, quando, de repente, encontrou a solução para o problema do rei. Foi então que ele saiu nu pela rua gritando: Eureca! Eureca! Eureca! (achei, em grego). Ou seja, ao tomar banho, relaxado, ele teve a idéia de que a densidade da prata era diferente da densidade do ouro e, em conseqüência, iam afundar na água em tempos diferentes. Fazendo, então, uma nova coroa de ouro, para não destruir a original, e uma similar de prata, e submetendo-as a sucessivas avaliações dentro da água, ele descobriu o que ficou conhecido como o princípio de Arquimedes, graças ao qual as navegações, naquela épo­ca, se tornaram pos­sí­veis.

Veja só! Arqui­medes, dei­ta­do na banheira, e Eins­tein, deitado na rede.

Quem iria imaginar que grandes idéias, que impulsionaram a civilização para frente, nasceram de momentos de reflexão do hemisfério direito do cére­bro? Por isso é importante aprender a trabalhar com o hemisfério direito, que também está ligado ao nosso sistema emocional.

Ou seja: quanto mais você utiliza seu hemisfério direito, mais você modifica a sua percepção. E, à medida que você modifica a sua percepção, mais você modifica a sua realidade. — Percepção é realidade; tudo o mais é ilusão.