Terça, 22 de Julho de 2014 - Editado desde: 01 de agosto de 1980
 
 
 
 
Quem deve ser o novo governador de MS?
Delcídio Amaral (PT)
Evander Vendramini (PP)
Nelson Trad (PMDB)
Professor Monge (PSTU)
Reinaldo Azambuja (PSDB)
Sidney Melo (PSOL)

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

    
 
Animais de estimação são benéficos para saúde de crianças e adultos
Quarta, 02 de Outubro de 2013 - 14:04
Fonte: Agência Saúde
Criar cães, gatos, coelhos e outros animais de estimação em casa, ou ter contato constante com eles, ocasiona benefícios para o ser humano que vão além da companhia. Ter um bichinho de estimação pode até ajudar no tratamento de doenças que afetam os donos.
 
O tempo diário dedicado a eles pode diminuir a pressão arterial, reduzir o risco de doença cardíaca, sem contar que o carinho que eles são capazes de doar aumenta o bem-estar e diminui a sensação de estresse e solidão.
 
Chegar em casa depois de um dia exaustivo e ser recebido com festa, deixa qualquer um mais feliz.
 
“Com o processo de urbanização, perdemos este contato mais próximo com os animais, que foram companheiro dos humanos por muitos séculos. E ter um bicho de estimação tem inúmeros benefícios. Diminui a pressão arterial, facilita o sono, reduz o estresse e aumenta o sentimento de conexão com a comunidade. No trabalho, por exemplo, por mais que desenvolva afinidade entre os colegas, o contexto é competitivo. Os adultos acabam tendo pouca convivência comunitária fora deste contexto, isto pode acarretar depressão e ansiedade”, observa Valéria Cristina Brito, psicóloga e chefe do Serviço de Assistência Materno Infantil e Puericultura do Ministério da Saúde.
 
Crianças
 
Na maioria das crianças, a afeição é imediata. De acordo com a psicóloga, no caso dos pequenos, o mais importante neste convívio é o desenvolvimento da relação de afetividade. “Até os três anos a criança está aprendendo a se vincular.
 
Nascemos com potencial, mas é necessário um ambiente que favoreça vínculos positivos. Um bicho de estimação permite uma vivência permeada pela fantasia e o imaginário, já que eles não falam.
 
Algumas crianças fazem esta relação com objetos, mas há um limite, pois o objeto não retorna a afetividade. Aquilo que desenvolveu com os bichinhos de pelúcia vai ser potencializado pela afetividade do animal”, explica Valéria.
 
Aprendendo a cuidar
 
Para os pais que objetivam desenvolver o senso de responsabilidade dos filhos, Valéria explica que isto só é possível a partir dos seis anos de idade.
 
“É a partir desta idade que ele entende a relação entre causa e efeito. Não se pode exigir de uma criança pequena uma organização interna que ela não tem. Até três anos, a maioria das crianças não tem noção de tempo e um animal precisa de horários de alimentação e descanso, por exemplo”, orienta.
 
Além disso, o animal de estimação deve combinar com a fase de desenvolvimento da criança somada à dinâmica da família. “Não adianta família sem hábitos externos ter cachorro, pois o animal pode ficar ressentido, agressivo, urinar pela casa. Pássaros de estimação como periquitos, papagaios e calopsitas não são as melhores escolhas para os pequenos porque são mais difíceis de domesticar e podem machucar a criança com o bico ou a garra.”
 
A psicóloga recomenda ainda que animais como coelhos, hamsters, cachorros médios ou grandes também são para fases posteriores. Além de treinar o bicho de estimação e escolher raças mais dóceis, ela lembra a importância de manter bons hábitos de higiene, mesmo que o animal seja doméstico e vacinado.
 
É importante sempre lavar as mãos com água e sabão depois de lidar com os animais e não deixar que eles durmam na mesma cama que o dono. “E no caso da família que não tem interesse em ter uma mascote em casa, propiciar este contato com os animais, nem que seja um passeio ao zoológico, a um sítio, é muito importante. Esta presença dos animais na vida das crianças é muito positiva”, acrescenta.
 
Demência
 
Para quem sofre de mal de Alzheimer ou outras doenças relacionadas à memória, os bichinhos também podem trazer ótimos benefícios.
 
De acordo com a terapeuta ocupacional do Programa de Atenção aos Cuidadores da Demência (PAC-D) do Hospital Nossa Senhora Conceição, em Porto Alegre (RS), Elisete Bernardes, os animais de estimação podem ser um elemento importante na recuperação, melhorando a resposta dos pacientes aos cuidados e tratamentos.
 
“Orientamos aos familiares que, no cuidado em casa, o contato com o animal proporciona atividades como a responsabilidade de dar água e comida, fazer carinho, pentear o animal e isto ajuda a resgatar o que está preservado na memória”, destaca.
 
Além disso, os bichinhos também podem diminuir a solidão, ajudar a reduzir o estresse e motivar a prática de exercícios ou brincadeiras – o que não só representam benefícios ao corpo, como a mente também. (Agência Saúde)
    
 
 
Comentários
 
+ notícias do impresso
 
ANDRÉ PUCCINELLI
GOVERNADOR
"Houve uma industrialização maciça de MS"
Ver mais Entrevistas ›
 
Mitsubishi Lancer Evolution se despede do mercado
Linha 2015 chega com poucas novidades.
Ver mais notícias Automotivas ›
 
 

Luiz Flávio Gomes
Persistência renitente da epidêmica taxa de delitos

Claudia Rocha Coppoli
Julho: mês dos HOMENS: como vai a sua saúde?

Eduardo Sani
Cinco passos para gerar leads qualificados em campanhas digitais
Ver mais artigos ›
 

Escreva seu e-mail abaixo:

 
  Primeira Página - Notícias do Impresso - Últimas Notícias - Galeria de Fotos
Grupo Feitosa - Histórico - Publicidade - Expediente - Fale Conosco
.