11 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Banner Senar MS - Paisagens Rurais (10/08 a 20/08)
SIMULADOR DE DIREÇÃO

Autoescolas de MS estão prontas para aulas de volante no simulador de direção

Sindicato cedeu as máquinas e cada aluno terá de fazer cinco aulas no simulador

10 janeiro 2016 - 08h01Alberto Gonçalves
Instrutora acompanha aluno em simulador
Instrutora acompanha aluno em simulador - Melissa Schmidt
FAMASUL - SENAR

Desde o início de 2016 todas as autoescolas do País devem utilizar o simulador de direção nas aulas para os alunos que vão obter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O presidente do Sindicato das Autoescolas de Mato Grosso do Sul, Wagner Prado, explicou que os Centros de Formação de Condutores em todo o Estado estão aparelhados para cumprir a determinação do Conselho Nacional de Trânsito.  

De acordo com a explicação de Prado, a resolução foi publicada e deveria entrar em vigor até 31 de dezembro de 2015. "Mato Grosso do Sul se preparou e o Detran de MS publicou uma portaria que, a partir de dezembro, os alunos que se matriculassem nas autoescolas já teriam em suas aulas práticas a inclusão do simulador. Temos a quantidade necessária de máquinas nos municípios, estamos preparados e  já estão sendo realizadas essas aulas", explica.  

Ao exemplificar a metodologia das aulas, o presidente do sindicato comenta que o aluno, após sua inscrição, tem um período de 25 a 30 dias para as aulas práticas. Serão 25 aulas de direção, das quais cinco delas, com período de 50 minutos cada uma, destinam-se à utilização do equipamento de simulação de direção. Há também mais quatro aulas nas ruas no período noturno e o restante normal durante o dia.  

Wagner Prado comenta que, no início, sentiu barreiras para aceitar o simulador, pois acreditava ser uma espécie de videogame, mas ao tomar conhecimento direto com o equipamento aprovou e hoje acredita ser uma boa maneira para que o aluno conheça melhor a prática da direção. "No simulador, conseguimos fazer uma aula com o aluno em uma rodovia, mostrando situações adversas, com chuva, carretas e outros veículos grandes ultrapassando, jogando água no para-brisa do veículo. Além disso dá para  simular um animal na pista e aquaplanagem. São situações que, na prática, não conseguimos passar aos alunos, mas com o simulador é possível. A sensação é de como se estivesse dirigindo um veículo na rodovia", comenta.  

Um dos pontos do simulador aprovado pelo presidente do sindicato está exatamente na simulação do motorista embriagado ao volante. "Com o simulador, o condutor mostra a sensação que o motorista tem ao conduzir um veículo sob efeito de bebida de alcóolica, de acordo com o peso da pessoa e hora em que está dirigindo. A tela do simulador fica turva, exemplificando como seria a visão nesse caso. Isso é muito importante, pois as pessoas tomam uma ou duas cervejas e acham que está tudo normal. E, ao passar por esse teste do simulador, o condutor vai perceber que não deve beber porque a sensação é ruim", declara.  

Além disso, com o simulador o aluno começa a ter o hábito de utilizar os pedais corretamente, evitando que o carro desligue ao sair e também nas trocas de marchas. Em relação à área urbana, o simulador demonstra várias situações dentro da cidade, como curvas, velocidades permitidas. Embora ele também terá essas aulas no dia a dia.  

Aquisição de equipamentos  

Como o custo das máquinas é considerado alto, em torno de R$ 40 mil, o sindicato fez um comodato dentro de todo o Estado. Já chegaram 74 máquinas distribuídas em vários municípios e mais 30 para poder suprir as cidades maiores. "Aqui em Campo Grande, por exemplo, temos dez máquinas e solicitei outros 10 simuladores só para a Capital, para tentar suprir as necessidades. A expectativa é que em maio ou junho o movimento aumente".  

A inclusão das máquinas simuladoras no curso das aulas práticas de autoescola não irá implicar em aumento no custo a ser pago pelos alunos. De acordo com Wagner Camargo, essas cinco aulas praticamente já ficam embutidas no valor das aulas práticas de rua, evitando assim um acréscimo na parcela.  

Ciclomotor até 50 cilindradas     

Em relação às motocicletas de até 50 cilindradas foi regulamentada a habilitação para conduzir esse tipo de veículo. Segundo o presidente do Sindicato das Autoescolas, todos os chamados ciclomotores, que são as motocicletas abaixo de 50 cilindradas ou as conhecidas como cinquentinha precisarão ter carteira de habilitação.  

"Anteriormente, para se dirigir esse tipo de veículo, a habilitação era a mesma para qualquer tipo de motocicleta. Hoje há uma diferença. Com a normatização da Resolução 572 do Contran, diminuiu a carga horária dos exames teóricos e práticos. O prazo é de 180 dias para o cumprimento da Norma. Assim cada autoescola deverá ter uma motocicleta desse tipo para seus alunos, pois a habilitação é obrigatória, assim como apara aquelas chamadas mobiletes (bicicletas com motores), que são ciclomotores", explica.  

Na questão de segurança do motociclista, Wagner Prado ressalta a necessidade dos cursos de autoescola, uma vez que os acidentes são provocados pela desinformação.  Muitas vezes, na ultrapassagem com a motocicleta, explicamos que o ideal é que o veículo à frente consiga ver a motocicleta, evitando a pilotagem insegura. E há muitos outros aspectos que são explicados na hora de tirar uma habilitação de motocicleta, explica Wagner Prado.

Banner Whatsapp Desktop
agecom - fullbanner
Cornavirus