24 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
banner TCE. Sustentabilidade dias 21, 22, 25, 26 e 27/06 conforme pi 1808/2018
SAÚDE

Reunião define estratégias contra a Influenza e criação de Plano Municipal de Contingência

O Plano prevê que, caso haja possibilidade de transmissão da influenza, a estrutura estabelecida par a resposta de enfrentamento da doença seja executado para minimizar os danos e conter o avanço de casos

12 março 2018 - 17h00
O Plano que está em fase inicial de elaboração prevê a participação da CVE, da Vigilância Sanitária (CVS) e da Rede Municipal de Saúde (REMUS)
O Plano que está em fase inicial de elaboração prevê a participação da CVE, da Vigilância Sanitária (CVS) e da Rede Municipal de Saúde (REMUS) - Foto: Prefeitura Municipal de Campo Grande

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Campo Grande, por meio da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica (CVE) está elaborando o Plano Municipal de Contingência da Influenza. A primeira reunião de trabalho aconteceu na manhã desta segunda-feira (12) e contou com a presença de representantes de diversas coordenações da pasta.

O Plano prevê que, caso haja possibilidade de transmissão da influenza, a estrutura estabelecida par a resposta de enfrentamento da doença seja executado para minimizar os danos e conter o avanço de casos. Para que isto ocorra, vários setores da Secretaria devem agir de maneira articulada.

O Plano que está em fase inicial de elaboração prevê a participação da CVE, da Vigilância Sanitária (CVS) e da Rede Municipal de Saúde (REMUS). As estratégias para orientação de prevenção e mobilização terão ampla divulgação por meios dos canais oficiais de comunicação da SESAU, que inclui site, Diário Oficial do Município (Diogrande) e redes sociais.

A coordenadora da CVE, Mariah Barros, explica que este trabalho já estava em fase avançada de pesquisa. “Estudamos os planos do Ministério e da Secretaria de Estado da Saúde há algum tempo para extrairmos o que compete ao município. Desta forma, nosso Plano deve envolver os setores para a execução e monitoramento da influenza”, explicou.

Mariah reforça ainda que “não há atualmente, casos da doença, mas o Plano é importante para fortalecer os setores envolvidos, caso haja risco elevado de transmissão, o que comprometeria toda a rede de saúde”.

O Plano deve ser finalizado no próximo mês e apresentado ao Conselho Municipal de Saúde para aprovação. Após a concordância, o documento será publicado no Diogrande.

TJ MS
ALMS CORTESIA