07 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
agecom
NA CAPITAL

Demandas aos pré-candidatos a prefeito da capital são apresentadas pelo Sindicato Rural de Campo Grande

Até o momento, três nomes receberam da diretoria do SRCG as principais solicitações da agropecuária local, que poderão ser incluídas nos respectivos planos de governo

15 julho 2020 - 19h47
Presidente do SRCG, Alessandro Coelho
Presidente do SRCG, Alessandro Coelho - (Foto: Divulgação/AGROA)
HVM


A fim de apresentar demandas do setor agropecuário da região, o Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho (SRCG) iniciou uma rodada de reuniões com os pré-candidatos a prefeito da capital de Mato Grosso do Sul. Até o momento, três nomes receberam da diretoria do SRCG as principais solicitações da agropecuária local, que poderão ser incluídas nos respectivos planos de governo.

“Optamos por nos reunirmos com os pré-candidatos de forma antecipada, pensando na efetividade da ação e de oferecer tempo hábil aos candidatos para incluírem nossas demandas em suas propostas. Além de estratégico, isso nos permitirá cobrar e desenvolver em conjunto os projetos da próxima gestão da nossa capital”, explica o presidente do SRCG, Alessandro Coelho.

“O Sindicato tem por característica a busca pelo trabalho conjunto com a prefeitura, indicando ações eficientes aos produtores rurais, que podem impactar de forma econômica e social. Nossa finalidade é contribuir”, pontua o presidente.

Entre as principais demandas do Sindicato está a atenção com o potencial das redondezas da capital, que segundo a entidade podem formar o cinturão verde a partir de um programa de irrigação, pensado em parceria com a Prefeitura de Campo Grande, em que o público pudesse investir 50% e os produtores a outra metade. “Uma ação destas, além de gerar emprego e renda na propriedade, traz dinamismo para dentro e fora da porteira, uma vez que a produção de alimentos pode beneficiar as próprias entidades públicas, como as escolas municipais”, explica o presidente do Sindicato, ao apresentar a hipótese da criação de um protocolo de produção para os produtores rurais.

No mesmo caminho, o SRCG propõe a inclusão do leite de saquinho na merenda escolar, abrigos e creches, ressaltando o potencial nutritivo do leite produzido no município e a valorização do produtor. Outra demanda referente ao setor lácteo é o aumento da embalagem do leite, de 500 ml para 3,6 litros, considerando o favorecimento da logística e menor custos à indústria.

Também estão elencadas nas demandas do Sindicato o enquadramento do valor da terra nua em valores reais; o uso de patrulhas mecanizadas em parceria com Sindicato Rural, no formato de comodato; estudar parceria Fundersul e patrulha para manutenção das rodovias vicinais; parceria com entidades do setor para inspecionar a agroindústria e o possível consórcio com as demais prefeituras de Mato Grosso do Sul para aceitação do SIM – Selo de Inspeção Municipal.

“Temos associados ao Sindicato Rural que produzem em um município vizinho, mas são impedidos de comercializarem na capital por questão burocrática ligada ao SIM. Precisamos de uma alternativa que viabilize e dinamize o comércio de determinados produtos”, explica Alessandro Coelho.

As mesmas demandas foram entregues até o momento para três pré-candidatos a liderar a prefeitura de Campo Grande: Esacheu Nascimento, pelo Partido Progressista (PP); Marcelo Miglioli, pelo Solidariedade e ao candidato à reeleição, Marquinhos Trad, pelo Partido Social Democrático (PSD), representado por seu atual secretário de desenvolvimento econômico, ciência e tecnologia, Herbert Assunção.

Segundo Miglioli sua gestão terá uma agenda direcionado ao agronegócio, a fim de fomentar a economia de pequenas propriedades. “Outro pilar que a gente quer trabalhar para poder fomentar o agro de forma geral no nosso município é fazer um trabalho em cima das nossas estradas municipais e de pontes de madeira, porque sabemos que ponte de madeira é um problema para todo estado de Mato Grosso do Sul hoje, e nós queremos fazer dentro do município de Campo Grande o mesmo trabalho de recuperação de manutenção de vias municipais que fizemos com o Secretário de Estado nas rodovias estaduais de MS”, pontua.

Com relação à agenda entregue pelo SRCG, o candidato confirma a inclusão de alguns itens no Plano de Governo. “Estamos estudando. Entendemos a importância das observações e sugestões que o que Sindicato Rural de Campo Grande nos passou e vamos debater com a entidade e com o setor produtivo. Algumas agendas nós vamos colocar da forma como foi solicitado no nosso Programa, como por exemplo a questão do leite, isso nós já fechamos questão. Sobre a irrigação estamos trabalhando com a nossa equipe para ver onde a gente pode contribuir nesse processo, inclusive no quesito tributário”, sinaliza Miglioli.

“Em relação à parceria com o Sindicato na questão de equipamentos, nós queremos fazer parceria, mas de outra forma. A ideia é fazer a mesma parceria que fizemos com os municípios quando fomos secretário”, finaliza o representante do Solidariedade.

O representante do pré-candidato Marquinhos Trad, Herbert Assunção, confirmou a entrega das demandas. “Foi entregue ao atual prefeito e garantimos que todas as demandas relacionadas à Sedesc serão consideradas prioritárias na próxima gestão. Outras agendas foram entregues ao atual secretário de finanças do município, Pedrossian Neto, que avaliará a viabilidade para incluir no projeto da próxima gestão”, esclareceu Assunção.

Da mesma forma, o pré-candidato Esacheu Nascimento, junto com sua equipe, avaliou as demandas do Sindicato Rural e confirmou o interesse de uma parceria com a entidade. “Além de avaliarmos, ainda acrescentamos alguns projetos essenciais para o agro, como a conservação de estradas vicinais, com asfalto e a criação de uma secretaria de agricultura e pecuária, de verdade, que possa definir políticas específicas para o setor”, sinaliza.

“Os laticínios merecem transformação e estímulo para beneficiar os produtos. Precisamos exportar mais produtos regionais, como o combaru e guavira, por exemplo, e deixar de importar tantos produtos de fora. Não faz sentido comermos mandioca produzida em Goiás”, diz o progressista. “Política agrícola precisa ser abrangente, e pensando nisso queremos criar o fundo municipal de desenvolvimento econômico para estimular novos empreendimentos”, completa.

Durante o mês de julho outros pré-candidatos serão convidados para reunião com os diretores do SRCG e receberem as demandas. A proposta da entidade é marcar novos encontros próximo da data das eleições para prestigiar o plano de governo dos candidatos e verificar as reais propostas para o setor.


 

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você vai fazer compras de Dia dos Pais neste ano?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Auxilio Emergencial  (interno)
agecom - fullbanner
Cornavirus