18 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
- SEBRAE INSTITUCIONAL
POLÍTICA

Rodrigo Pacheco comunica saída do MDB para disputar governo mineiro pelo DEM

Pacheco se destacou nos últimos anos após ser cotado para assumir o Ministério da Justiça no governo Michel Temer e comandar a CCJ

13 março 2018 - 17h09
Em 2017, a comissão ganhou os holofotes durante a votação dos dois pedidos da Procuradoria Geral da República (PGR) de abertura de processo contra Temer
Em 2017, a comissão ganhou os holofotes durante a votação dos dois pedidos da Procuradoria Geral da República (PGR) de abertura de processo contra Temer - Foto: PMDB/MG

Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, o deputado Rodrigo Pacheco (MG) divulgou hoje uma carta comunicando sua desfiliação do MDB. O deputado formalizará sua filiação ao DEM na próxima segunda-feira, 19, em um grande evento com a presença em Belo Horizonte do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), pré-candidato à Presidência da República. Pacheco vai disputar o governo de Minas Gerais contra o governador Fernando Pimentel (PT), que caminha para fechar um palanque com o MDB mineiro.

Pacheco se destacou nos últimos anos após ser cotado para assumir o Ministério da Justiça no governo Michel Temer e comandar a CCJ. Em 2017, a comissão ganhou os holofotes durante a votação dos dois pedidos da Procuradoria Geral da República (PGR) de abertura de processo contra Temer. Na primeira votação, Pacheco indicou Sérgio Zveiter (Pode-RJ), um parlamentar independente, para relatar o pedido. Na segunda denúncia, o mineiro escolheu o governista Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) para a missão. Nas duas ocasiões, o plenário rejeitou o prosseguimento das denúncias.

Na carta, Pacheco diz que comunicava a desfiliação com "aperto no coração". "Tenho a plena e tranquila consciência que honrei a agremiação com um mandato de deputado federal digno, bem aprovado e a serviço do interesse público", diz a mensagem de despedida. "Até mesmo nos momentos de divergência ideológica mais agudos, como a que agora motiva minha saída, mantive o respeito absoluto aos meus pares, algo próprio da minha personalidade", completou.

Pacheco afirma que percorreu o Estado junto com o vice-governador Antônio Andrade (MDB) e com colegas de legenda que defendiam uma candidatura própria do MDB em Minas Gerais, mas que esse esforço não teve resultado. "Infelizmente, prevaleceram outras forças do partido, que levarão à reedição da equivocada aliança com o PT na eleição desse ano", escreveu.

Durante o período de janela que permite aos parlamentares trocarem de agremiação partidária, o MDB vem se destacando pela quantidade de deputados perdidos nos últimos dias. O MDB fluminense, maior bancada do partido na Casa, sofreu as maiores defecções: já anunciaram a saída Laura Carneiro (para o DEM), Altineu Côrtes (de volta ao PR), José Augusto Nalim (para o DEM) e Celso Pansera (que foi para o PT). Alexandre Serfiotis e Soraya Santos negociam a migração para o DEM.

ALMS CORTESIA
TJ MS