21 de março de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
BANNER TCE - Gestão Descentralizada (18 a 22/03)
CONSUMIDOR

No Dia Mundial do Consumidor, deputado ressalta respeito como expressão de cidadania

Felipe Orro é autor de duas dezenas de projetos que buscam garantir ou ampliar direitos aos consumidores. Isso faz com que identifique seu mandato a essa causa

15 março 2019 - 12h15João Prestes
E o deputado encabeça, atualmente, outro movimento questionando a elevação das contas verificadas nos meses de dezembro e janeiro
E o deputado encabeça, atualmente, outro movimento questionando a elevação das contas verificadas nos meses de dezembro e janeiro - Foto: Divulgação

As normas que permeiam as relações de consumo estão, para a sociedade atual, com importância equivalente às leis de garantia da cidadania forjadas nas lutas do Século XV. A comparação foi feita pelo deputado estadual Felipe Orro (PSDB), presidente da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor da Assembleia Legislativa, para quem a expressão da cidadania na sociedade moderna se dá, sobretudo, no respeito ao consumidor.

“O capitalismo é ancorado no consumo. O apelo ao consumo está presente em todos os instantes da vida das pessoas, em todos os ambientes que freqüentamos. Viver é consumir. É assim que o mundo foi planejado. Cabe a nós uma vigilância constante para estabelecer um equilíbrio nessa relação de forma a garantir que o mercado não atropele os direitos sagrados da cidadania. Porque antes de sermos transformados em consumidores, fomos forjados cidadãos, isso lá no Século XV, quando o capitalismo ainda não estava formatado”, ponderou o deputado nesta sexta-feira (15), Dia Mundial do Consumidor.

Felipe Orro é autor de duas dezenas de projetos que buscam garantir ou ampliar direitos aos consumidores. Isso faz com que identifique seu mandato a essa causa. “A defesa do direito do consumidor é uma das bandeiras de meu mandato, por essa razão fiz questão de integrar e acabei escolhido pelos demais membros para presidir a Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor”, disse.

O mais recente projeto de sua autoria nessa área é o que proíbe as concessionárias de fornecimento de energia elétrica e água a cobrar taxa de religação dos serviços quando o corte se deu por atraso no pagamento. “O consumidor já está sendo penalizado por ficar sem o serviço, e se isso acontece é porque não conseguiu pagar. Ninguém pode dizer que água e luz são serviços baratos hoje em dia, como era no tempo de nossos pais e avós. Além disso, a próxima conta já virá com juros e multa pelo atraso. Portanto não justifica penalizar ainda mais esse consumidor cobrando uma taxa para religar. Até porque, se a primeira ligação não é cobrada, todas as demais também não têm razão de ser”, justificou.

A luta do parlamentar contra a concessionária de energia é antiga. Felipe integrou todas as comissões da Assembleia que analisaram denúncias e queixas de consumidores a respeito de altas na tarifa ou precariedade dos serviços. No último movimento, em 2017, a concessionária foi obrigada a devolver mais de R$ 200 milhões aos consumidores por erros na composição tarifária.

E o deputado encabeça, atualmente, outro movimento questionando a elevação das contas verificadas nos meses de dezembro e janeiro. Não descarta, inclusive, propor a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para averiguar o caso. “Estamos reunindo provas”, adiantou.

Nessa linha de relação com a concessionária de energia, Felipe apresentou outros dois projetos: um que impede a interrupção dos serviços nas sextas-feiras ou vésperas de feriado, porque mesmo pagando a conta, a luz seria restabelecida só no próximo dia útil; e outro que obriga a divulgação no site da empresa dos valores recolhidos dos consumidores a título de taxa de luz, de cada município. Esse projeto virou lei e os valores estão sendo divulgados mês a mês no site da Energisa.

Outro importante projeto de Felipe Orro que virou lei – e em seguida foi normatizado em nível federal – obriga as operadoras de serviços contínuos como TV, Internet, a estenderem a todos os consumidores antigos eventuais vantagens que oferecem a novos clientes. “A gente via campanhas oferecendo descontos de até 50% para clientes novos. O cliente antigo tava pagando 100 pelo serviço, o novo ia pagar 50. Isso era muito errado. Agora o cliente antigo tem direito aos mesmos descontos, se lançou um pacote novo, todos podem trocar e ficar com o mais vantajoso”, explicou.

Felipe também aprovou lei que obriga bancos e supermercados com mais de seis caixas a ter um caixa adaptado para cadeirantes. Outra lei determina a existência de desfibrilador cardíaco em eventos com grande público para atendimento a eventuais casos de parada cardíaca. Muitas mortes podem ser evitadas com o uso do desfibrilador para reanimar o paciente, justificou o parlamentar.

“São medidas muitas vezes simples, mas que fazem muita diferença na vida das pessoas. Esse é nosso papel como legislador. Ficar atentos a essas falhas na relação de consumo e propor correções. Até pouco tempo não havia lei punindo o comerciante que deixasse exposto produto com validade vencida. Azar era do consumidor que não lesse o rótulo. Sem falar em outros absurdos que aconteciam, como a recusa de troca de produtos com defeito, ou de tamanho inadequado. Hoje isso é inconcebível, as pessoas têm muito claro que são direitos seus trocar um produto vencido ou que não serviu, mas isso foi conquistado por leis”, pondera.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você considera que o uso da internet em excesso esteja incentivando os jovens a cometerem suicídio?

Votar
Resultados
Camara.ms
DENGUE