24 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
POLÍTICA

'Não vamos caminhar sem resolver o problema do déficit', diz economista de Dias

15 setembro 2018 - 06h59

Economista da campanha do presidenciável Alvaro Dias (Podemos), Ana Paula de Oliveira defende forte ajuste das despesas do governo como condição para a retomada do crescimento. Ela propõe a adoção de um "limitador emergencial de despesas", com um corte de cerca de 10% nos gastos da União. "Nosso maior problema é o déficit público. Não conseguiremos caminhar sem resolvê-lo", diz.

Uma das metas é a reforma constitucional. Por que ela é necessária?

Para dar mais flexibilidade ao Executivo na administração das despesas. Mais de 90% das despesas já têm destino fixo. Nosso maior problema econômico é o déficit público. Não conseguiremos caminhar sem resolvê-lo. Temos de ajustar o orçamento para, em dois anos, no máximo, zerar a geração de déficit.

Como?

No primeiro ano, aplicar um limitador emergencial de despesas, com um corte que vai ficar muito perto de 10% das despesas atuais da União e distribuí-lo de acordo com a prioridade definida pela sociedade. O objetivo é chegar muito perto de zerar o déficit já no primeiro ano. Ao longo de 2019, a ideia é estabelecer um orçamento base zero: esquecer o orçamento que há hoje e analisar linha a linha os gastos da União.

A meta é crescer 5% ao ano. De onde esse crescimento virá?

Até meados da década de 1970, o Brasil era um dos países que mais cresciam no mundo. Mas precisamos primeiro resolver o problema das contas públicas. Temos de reformar a Previdência. A proposta é criar um fundo previdenciário com contas individualizadas e capitalizadas com ativos da União, inclusive as estatais que hoje existem. Em relação ao sistema atual, somos a favor de unificar as previdências privada e pública, estabelecer o mesmo limite de benefícios, de R$ 5 mil, e aumentar idade mínima.

Como cobrir o rombo do sistema previdenciário atual?

A partir do momento que tivermos sobra, porque vamos conter despesas públicas, cobriremos o déficit da Previdência. Infelizmente, não existe mágica.

Todas as estatais seriam privatizadas?

A maior parte deve ser privatizada ao longo do governo. Algumas terão de ser extintas, outras, talvez, virem concessões. Algumas precisarão ser desmembradas. Mas não restringiria a privatização de nenhuma.

Pode ser necessário aumentar impostos?

Não. Faremos ajuste das despesas. Não vamos aumentar alíquotas ou criar impostos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
tj ms agosto
SOLURB