04 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Conquistas PMCG
ESPANHA ELEIÇÃO

Espanhóis vão às urnas em eleições gerais neste domingo

Pela primeira vez na história, a disputa pelo Parlamento não estará concentrada nos dois partidos de mais tradição.

20 dezembro 2015 - 08h30DA REDAÇÃO
HVM

Pela primeira vez na história da democracia espanhola, a disputa pelo Parlamento não estará concentrada nos dois partidos de mais tradição: o Popular (PP), do atual primeiro-ministro, Mariano Rajoy, e o Partido Socialista (PSOE), que esteve à frente do governo anterior e, agora, tem o economista Pedro Sanchez como candidato.

A última pesquisa oficial, feita pelo Centro de Pesquisa Sociológica, apontou o PP à frente, com 28,6% dos votos, seguido dos Socialistas, com 20,8%. Mas outros dois partidos aparecem logo atrás: 19% das intenções de voto ficaram com a legenda liberal, de centro-direita, Ciudadanos, liderada pelo advogado Albert Rivera, e 15,7% apontam para o jovem Podemos, com tendência à esquerda e postura anti-austeridade. O partido, criado há menos de dois anos, tem à frente o professor universitário Pablo Iglesias.

A pesquisa indica ainda que um em cada três eleitores não sabe em quem votar.

Pesquisas encomendadas por diferentes jornais espanhóis e divulgadas na última segunda-feira (14) também mostram o PP na liderança, mas não o suficiente para conseguir maioria no Parlamento.

"Provavelmente, haverá quatro partidos com grande número de assentos e a governabilidade poderá ser bem mais complicada do que foi nos últimos quatro anos", prevê o cientista político José Fernandez Albertos, do Conselho de Pesquisa Espanhol.

O resultado pode ser uma aliança entre diferentes forças políticas. Se isso acontecer, será o primeiro governo de coalizão nacional na história da Espanha. As eleições municipais e regionais, em maio deste ano, já haviam colocado em xeque o bipartidarismo no país, com a ascensão do Ciudadanos e do Podemos. A expectativa é que o mapa político mude também no nível nacional.

Os escândalos de corrupção envolvendo o partido do governo, a economia em crise, que não mostrou sinais consistentes de recuperação após as medidas de austeridade e a alta taxa de desemprego, de 21%, a segunda maior da Europa, atrás apenas da Grécia, fizeram com que os espanhóis olhassem para alternativas.

Criar empregos e apresentar soluções para a economia sem perda de direitos e benefícios sociais para a população serão os principais desafios do próximo governo, que ainda precisará lidar com o movimento pela independência da Catalunha, cada vez mais forte.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você vai fazer compras de Dia dos Pais neste ano?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Auxilio Emergencial  (interno)
Cornavirus
agecom - fullbanner