18 de Novembro de 2017 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
REFIS GOVERNO PRESENTE 2 - DE 16.11 ATE 22.11
POLÍTICA

Decisão de Bruno Araújo causa surpresa em dirigentes tucanos

14 Novembro 2017 - 09h16

A decisão do tucano Bruno Araújo (PE) de deixar o cargo de ministro das Cidades pegou de surpresa os principais líderes do PSDB, apesar de ele ter dito que conversou "com vários quadros do partido" antes de apresentar a carta de demissão.

O presidente interino da legenda, Alberto Goldman, e os demais integrantes da executiva não foram avisados previamente. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, que está em Roma, também não. "Foi uma decisão pessoal dele, até porque o PSDB não indicou nenhum ministro. O partido decidiu ajudar o governo nas reformas. Vai continuar da mesma forma, seja com quatro ou nenhum ministro", disse Goldman.

Um dos poucos consultados por Araújo foi o governador de Goiás, Marconi Perillo, que está em campanha para presidir o PSDB. "A saída do ministro mostra que o afastamento natural e elegante é o melhor caminho e que é falsa a afirmação de que o PSDB se resume a um plebiscito entre aqueles que querem ficar ou sair do governo Temer."

"Que ministro saiu? Vocês estão me falando agora", afirmou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a jornalistas brasileiros em Washington, onde foi homenageado pelo Inter-American Dialogue. Em entrevista à TV colombiana NTN24, parceira do evento, o ex-presidente disse que o PSDB terá, agora, "mais autonomia".

Abril

Aloysio Nunes não deve seguir o caminho de Araújo por ora. O plano inicial era ficar até abril, quando deve deixar o governo para disputar a reeleição ao Senado por São Paulo. O líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), afirmou que a saída de Araújo mostra que o partido "não tem apego" a cargos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AUTORIZAÇÃO E MATERIAL DO GOVERNO DO ESTADO - refis - de 25.10 a 31.10
Águas Guariroba - PI e Banner - Campanha Orgulho - Melhores Empresas - de 23.10 até