19 de agosto de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 BANNER TCE - Supremacia Lei Licitação PI 2209 (25 a 27/07 e 30 e 31/07)
POLÍTICA

'Bolsonaro, Lula e Ciro representam ruptura', diz cientista político

Não basta ser um candidato novo, tem que ter discurso que agregue

15 fevereiro 2018 - 12h30
Segundo Aragão, o centro deverá ter um candidato forte
Segundo Aragão, o centro deverá ter um candidato forte - Foto: Hélvio Romero / Estadão

Conhecido por orientar banqueiros e empresários sobre os rumos do Brasil, o cientista político Murillo de Aragão, fundador da Arko Advice, diz, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, acreditar que a melhora recente da economia deve enfraquecer as "candidaturas de ruptura", como ele classifica as investidas eleitorais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

Segundo Aragão, o centro deverá ter um candidato forte. Hoje, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), são apontados como nomes desse campo. "O ambiente econômico teria que estar muito ruim para se apostar num candidato de ruptura. À medida que a economia melhora, a tendência é se buscar um candidato capaz de manter essa situação."

As candidaturas de centro têm mostrado dificuldade para despontar nas pesquisas. Por quê?

O eleitorado de centro está acompanhando o andamento da disputa e não se posicionou. É cedo para tomar posição. O Lula se beneficia do recall que tem. Bolsonaro foi quem mais aproveitou o desejo de renovação que existe. É cedo para dizer que o centro está desidratado ou que não empolga. A hora que ficar mais claro quem é o candidato do centro, é provável que as pesquisas comecem a apresentar outro desempenho.

O centro usa a Previdência e a melhora da economia no discurso. Isso ajuda essa candidatura?

Indiretamente. Aprovada, ela (reforma da Previdência) causa uma melhoria nas expectativas em relação ao Brasil. Se a economia melhora, para o eleitorado é mais confortável uma solução que mantenha o bom ambiente econômico. E não apostar em candidatos de ruptura. Hoje, Lula, Ciro e Bolsonaro são candidatos de ruptura. O ambiente econômico teria que estar muito ruim para apostar num candidato de ruptura. À medida que a economia melhora, a tendência é se buscar um candidato capaz de manter a melhora. O centro terá um candidato forte. Provavelmente é o Alckmin, porque estaria mais bem posicionado, mas é cedo para dizer. As decisões só vão acontecer a partir de abril, quando vamos saber se Meirelles será candidato. Se Lula realmente não será candidato. Até lá pode aparecer um candidato surpresa, um Joaquim Barbosa, um Luciano Huck. À medida que prevalecer um ambiente de maior racionalidade, não sei se (Bolsonaro) terá fôlego. E também não acho que Lula tenha fôlego.

Bolsonaro começa a oscilar negativamente nas pesquisas.

O Bolsonaro é produto da conjugação da crise de segurança pública, ataque ao governo Temer, Lava Jato, antipolítico, antiestablishment. Ele sintetizou o cara que era contra tudo de ruim. Isso não é suficiente para sustentar uma campanha. A situação tinha que estar muito confusa, muito degradada, para ele conseguir romper o teto de votos que tem hoje.

Meirelles tem se colocado como responsável pela retomada de economia...

O Meirelles tenta estabelecer uma narrativa em que a melhoria do ambiente econômico decorre da condução segura da economia nas mãos dele. Mas até agora não houve uma percepção de que ele seja o pai da economia e a economia não melhorou o suficiente para gerar uma sensação parecida com aquela do Fernando Henrique (no Plano Real).

O pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, tem demonstrado dificuldade de crescer e ainda há expectativa sobre eventual candidatura de Luciano Huck...

Acho muito difícil que o PSDB substitua Alckmin por alguém que não seja do PSDB. Todo mundo deseja que Alckmin decole e, até agora, ele não decolou. O fenômeno Huck depende mais dele mesmo do que do PSDB. Se o Huck decidir ser candidato, parte das forças políticas vai migrar do Alckmin para o Huck, mas o PSDB não abandonaria o governador.

Como vê os 'outsiders'?

Existe um desejo grande da sociedade de renovação, mas isso é o início, não o fim. Se fala de Joaquim Barbosa, é um nome que representa renovação, mas o que ele vai falar? Às vezes, o candidato perde pelo que ele fala. Ainda mais candidatos como Barbosa, Ciro e Bolsonaro que são muito fortes nas suas posturas, isso pode causar dano numa campanha que tende a ser muito patrulhada. Não basta ser um candidato novo, tem que ter discurso que agregue. 

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
VAZIO SANITÁRIO