19 de agosto de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 BANNER TCE - Supremacia Lei Licitação PI 2209 (25 a 27/07 e 30 e 31/07)
POLÍTICA

Barroso critica foro, defende política e diz que não há crise institucional

11 outubro 2017 - 15h10

Ao iniciar seu voto, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), apontou o que considerou três "pré-compreensões" sobre o tema discutido pela Corte na tarde desta quarta-feira, 11. As observações do ministro avaliam que foro privilegiado é ruim, a política é importante e não há crise institucional entre os poderes.

Ao defender que não há qualquer crise entre Senado e STF, Barroso falou que recebeu diversos senadores nas últimas semanas e nenhum cogita "verdadeiramente" o desrespeito a decisões do Supremo.

"Nós já superamos os ciclos do atraso. O que existe, porque sempre existiu, são os que não hesitam em pregar a quebra da institucionalidade para defender os seus interesses ou de seus aliados - mas são poucos. Ninguém gosta desse filme da quebra da legalidade institucional, ele é um filme velho e feio. Só quem não soube a sombra é que não reconhece a luz que é viver sob um regime democrático de respeito às instituições", afirmou o ministro.

Barroso ainda fez uma defesa do modelo de democracia política, o que classifica como "gênero de primeira necessidade". Segundo o ministro, não há "alternativa legítima" a esse modelo e "demonizar a política constituiria um grave equívoco". "O mundo e o Brasil já viveram experiências devastadoras de tentativas de se governar sem a política. Nenhuma dessas formas foi mais bem sucedida que a democracia e a sede principal da democracia é o parlamento. E mesmo nas aflições dessa hora que vivemos, essa democracia já nos trouxe conquistas das quais podemos nos orgulhar e muito. Acho que a política é essencial e devemos prestigiá-la e valorizá-la", disse o ministro.

Barroso também criticou o modelo de foro privilegiado. "Por mim, nada disso estaria acontecendo. De longa data sou contrário à existência do foro privilegiado, porque ele investe o STF em um papel de juiz criminal de primeiro grau, que não é um papel próprio para nenhuma corte constitucional. Não é assim em lugar nenhum do mundo e nem deveria ser. Dentre outros males, o foro traz para o Supremo o primeiro embate para essas matérias, quando no máximo ele deveria ser uma instância revisional e falar por último", disse o ministro, ao criticar o foro privilegiado, que mantém as investigações contra parlamentares no STF.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
VAZIO SANITÁRIO