19 de agosto de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 BANNER TCE - Supremacia Lei Licitação PI 2209 (25 a 27/07 e 30 e 31/07)
POLÍTICA

Adriana Ancelmo teve privilégios em cadeia pública, diz MP

11 agosto 2018 - 14h22

Investigação do Ministério Público do Estado do Rio revela que a mulher do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, teve diversas regalias enquanto esteve presa no Complexo Penitenciário de Gericinó, entre os meses de dezembro de 2016 e março de 2017. Entre os privilégios concedidos a Adriana Ancelmo estão o recebimento de ceias de Natal e de Ano Novo. A ação do MP pede o afastamento de RiTa de Cássia Alves Antunes, diretora da cadeia pública Joaquim Ferreira de Souza, por improbidade administrativa.

De acordo com a ação, um emissário de Sérgio Cabral foi ao Complexo Penitenciário de Gericinó no dia 25 de dezembro com uma ceia de Natal para Adriana, o que é proibido pelas regras da penitenciária. Após ser barrado por agentes penitenciários, o emissário teve sua entrada autorizada por um subcoordenador da unidade "por ordem do 01", uma referência ao então secretário de administração penitenciária Erir Ribeiro. Na ocasião, segundo o depoimento de uma agente penitenciária, Rita de Cássia teria confirmado que a ordem partira do secretário.

No dia 31 de dezembro do mesmo ano, mais um emissário do ex-governador foi enviado à penitenciária, dessa vez com uma cesta de réveillon. Como, novamente, o acesso foi negado, a própria Rita de Cássia, que estava de folga, compareceu à unidade prisional para receber a ceia e entrega-la pessoalmente à ex-primeira-dama. A ação revela ainda que na noite do réveillon, as presas de nível superior foram autorizadas a manter as celas abertas, enquanto as demais detentas foram mantidas trancadas.

O MP sustenta que a após a chegada de Adriana Ancelmo, toda a rotina da unidade foi alterada. As regras de disciplina teriam sido adaptadas para a ex-primeira-dama, que não era obrigada a levantar da cama durante inspeções de rotina, não podia ser revistada após as visitas e sequer podia ser chamada de "presa" como as demais detentas. Uma agente penitenciária que tentou manter a igualdade de tratamento para todas as presas acabou sendo transferida pela diretora para outra unidade.

A ação é um desdobramento do Inquérito Civil Público, instaurado em março do ano passado, que apura regalias e privilégios no sistema penitenciário fluminense aos presos da Operação Lava Jato.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
VAZIO SANITÁRIO