18 de Janeiro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Banner Educação
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
POLÍCIA

Disque-Denúncia oferece recompensa sobre paradeiro de acusados da morte de PM

Eles são ligados à facção criminosa Comando Vermelho e já são considerados foragidos da Justiça

28 Dezembro 2017 - 10h37Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil
O crime aconteceu na madrugada do dia 18 deste mês, na Avenida dos Democráticos, em Manguinhos, zona norte do Rio
O crime aconteceu na madrugada do dia 18 deste mês, na Avenida dos Democráticos, em Manguinhos, zona norte do Rio - Divulgação

O Portal dos Procurados do Disque-Denúncia divulgou hoje (28) cartaz com a recompensa de R$ 5 mil  por informações que levem à prisão de Valdenir da Silva Ramalho, o Tazinho ou TZ, de 37 anos, chefe do tráfico de drogas do Morro do Viradouro, Preventório e Cantagalo, em Niterói, região metropolitana do Rio, e de seu filho Victor de Abreu Ramalho, o Vitinho ou VT, de 19 anos.

De acordo com a Justiça, Valdenir já responde pelos crimes de homicídio, organização criminosa e tráfico de drogas. Pai e filho também costumam praticar roubos a pedestres e veículos em vários pontos de Niterói. Eles são ligados à facção criminosa Comando Vermelho e já são considerados foragidos da Justiça.

A Delegacia de Homicídios da Capital conseguiu identificar os dois traficantes como autores da morte do sargento da Polícia Militar, Fábio Alexandre Eufrázio Silva, de 45 anos, lotado no batalhão da Maré. O crime aconteceu na madrugada do dia 18 deste mês, na Avenida dos Democráticos, em Manguinhos, zona norte do Rio.

Fábio patrulhava a região ao lado de outro policial, quando parou um carro modelo Cobalt, com seus ocupantes em atitude suspeita. O primeiro a descer do carro foi o criminoso identificado como Edgard Gomes, o Cajá, que já está preso. O PM tentou abrir a porta da patrulha, mas não teve tempo, e foi fuzilado à queima-roupa, levando 19 tiros.  Ele morreu na hora.

O Grupo Especial de Local de Crime da Homicídios conseguiu levantar informações que permitiram identificar a autoria e demonstrar a participação dos dois na morte do policial. O delegado Brenno Carnevale conseguiu obter, na madrugada do dia 20, no Plantão Judiciário do Rio, a decretação da prisão temporária dos acusados, que vão responder pelo crime de homicídio qualificado. A especializada também trabalha para identificar um quarto integrante do grupo, conhecido pelo apelido de RT.