09 de julho de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
assembleia respeito

Vigilância Sanitária não encontra irregularidades em produtos vendidos na Capital

12 maio 2017 - 17h13
comper

O Serviço de Fiscalização de Alimentos da Coordenadoria de Vigilância Sanitária (SEFAL/CVSA) divulgou nesta sexta-feira (12) o resultado das análises laboratoriais dos produtos de origem animal de empresas investigadas na Operação Carne Fraca da Polícia Federal (PF) e que foram coletados em março deste ano nos estabelecimentos comerciais do Município de Campo Grande.

Conforme o relatório, durante as ações, foram coletadas 28 amostras de diversos produtos como  salsicha, carne resfriada, linguiça, mortadela e frango, das marcas Sadia-BRF S.A, Seara Alimentos LTDA, Perdigão BRF SA, JBS S/A Friboi, Bello Frigorifico Souza Ramos LTDA.

As amostras foram encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Mato Grosso do Sul (LACEN/MS), onde foram submetidas a analises físico-químicas e microbiológicas, conforme resolução da Anvisa RDC Nº12, de 02/01/2001.

Os resultados das análises foram considerados satisfatórios para todas as amostras coletadas, atendendo a legislação vigente quanto aos parâmetros analisados.

Segundo o coordenador da Vigilância Sanitária, Arivaldo Moreira Oliveira,  nenhum dos produtos coletados apresentaram irregularidades.

O coordenador lembra que as inspeções miraram as empresas investigadas  na operação da PF por conta dos indícios de adulteração.

Durante a coleta do material, os fiscais já observam a temperatura dos alimentos nas gôndolas e freezers e disposição adequada, por exemplo. Foram verificados desde o rótulo, até o armazenamento do produto.

Moreira reforça que as fiscalizações da Vigilância Sanitária continuam sendo feitas periodicamente nos açougues, supermercados e estabelecimentos comerciais em geral

Banner Whatsapp Desktop
COMPER Delivery (interna)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você é a favor do veto do presidente Bolsonaro em relação ao uso obrigatório de máscaras respiratórias em locais como igrejas, comércio, escolas e presídios?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - 5º verde (interno)
tj ms
ALMS