Grupo Feitosa de Comunicação
 Redação: +55 (67) 3317-7890
Segunda, 22 de Maio de 2017 | Desde 1980
maio amarelo superbanner
INTERNACIONAL | Sexta, 19 de Maio de 2017 - 16:04

Trump teria dito à Rússia que demissão de Comey traria alívio a investigações

A reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, voltou a ser tratada pela imprensa. O jornal The New York Times publicou na tarde desta sexta-feira que Trump afirmou às autoridades russas presentes no local que demitir James Comey do cargo de diretor do Escritório de Investigação Federal (FBI, na sigla em inglês) aliviou uma "grande pressão" da investigação sobre uma possível interferência da Rússia nas eleições presidenciais do ano passado.

"Eu demiti o diretor do FBI. Ele era louco, maluco", disse o NYT, citando um documento que teria sido lido para o jornal por um integrante da Casa Branca. "Eu enfrentei grande pressão por conta da Rússia. Isso, agora, acabou."

A reunião entre Trump e Lavrov ocorreu na quarta-feira da semana passada, um dia após a demissão de Comey, no Salão Oval da Casa Branca. De acordo com o NYT, o documento da Casa Branca, que continha os comentários feitos por Trump, foi baseado em notas retiradas do Salão Oval e foi distribuído como o relato oficial da reunião. O jornal afirmou, ainda, que um funcionário leu as citações para o NYT e que um segundo confirmou o que foi discutido na reunião.

Também nesta sexta-feira, o Washington Post publicou uma reportagem afirmando que a investigação sobre um possível conluio entre a Rússia e a campanha de Trump identificou um funcionário da Casa Branca como uma pessoa importante dentro do esquema. Segundo o jornal, o assessor sênior da Casa Branca que está sendo investigada é alguém próximo do presidente Trump.

O Washington Post diz, ainda, que as fontes enfatizaram que os investigadores continuam interessados em pessoas que exerciam influência na campanha, mas que não fazem parte do governo, incluindo o ex-conselheiro de Segurança Nacional, Michael Flynn, e o ex-presidente da campanha, Paul Manafort.

Em resposta às novas notícias, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, divulgou um comunicado informando que "como o presidente disse anteriormente, uma investigação completa irá confirmar que não há nenhum conluio entre a campanha e alguma entidade externa".

Veja Também
Comentários
InfoImoveis