25 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
BANNERS - LEILÃO NELORE JMP
HABITAÇÃO

Secretária de Estado de Habitação vai ao Equador para Conferência

O evento é destinado a renovar o compromisso global de urbanização sustentável

17 outubro 2016 - 11h44Da Redação com Assessoria

A secretária de Estado de Habitação de Mato Grosso do Sul e presidente da ABC Cohabs, Maria do Carmo Avesani Lopez, ao lado da delegação brasileira participa da Conferência Mundial Habitat III, entre os dias 17 a 20 de outubro, em Quito, no Equador.

A Habitat III é parte do ciclo de conferências mundiais da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o desenvolvimento urbano, que se realiza de vinte em vinte anos (resolução 66/207 da ONU). A Conferência das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável será realizada em Quito, no Equador, para discutir a nova agenda urbana. A conferência é destinada a renovar o compromisso global de urbanização sustentável.

A delegação brasileira que irá participar da Habitat III será composta por agentes públicos que apresentarão um relatório elaborado pelo grupo de trabalho Habitat, instituído pela Resolução Administrativa no 29 de 2014 do Conselho das Cidades. Os principais pontos apresentados no relatório brasileiro são: as questões demográficas; planejamento urbano e territorial; urbanização; economia urbana; e habitação, saneamento e serviços básicos.

“É grandiosa a nossa participação na Conferência, pois, iremos deparar com problemas que refletem também a nossa realidade. E com essa experiência podemos promover no futuro um sistema de política de desenvolvimento urbano, bem como criarmos a capacitação das nossas instituições e sociedade civil”, explicou Maria do Carmo.

É esperada com grande expectativa a participação da delegação brasileira nesta edição da Habitat, pois as prioridades e contribuições nas discussões internacionais irão garantir a construção de diretrizes sustentáveis a ser implantadas no país e no mundo.

O Brasil busca garantir os direitos humanos a todos os 170 milhões de habitantes. Por isso, de acordo com o relatório da delegação brasileira acredita-se que a Nova Agenda Urbana deve ser baseada em uma perspectiva orientada pela formação de estruturas socioculturais de inclusão social e respeito à diversidade.

Segundo o documento a ser entregue pela delegação brasileira na Habitat III, o direito à cidade está diretamente ligado às políticas urbanas, daí a importância da discussão na conferência, visando a qualidade de vida, prosperidade econômica e o bem-estar da população. As discussões durante o evento poderão ajudar agentes públicos e sociais na construção das políticas urbanas levando em consideração experiências de diferentes países em desenvolvimento.

 

TJ MS
ALMS CORTESIA