11 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
maracaju dengue
AÇÕES SUSTENTÁVEIS

Sanesul de Paranaíba participa de projeto para coletar óleo de cozinha utilizado

Objetivo é amenizar as interferências do óleo de cozinha na rede de esgoto e contribuir com a preservação ambiental.

3 dezembro 2015 - 15h00Da redação com informações da assessoria
A população deve levar o óleo de cozinha em garrafas pet até um dos pontos de coleta e a cada dois litros, ganha um cupom para participar do sorteio de um smartphone no dia 23 de dezembro.
A população deve levar o óleo de cozinha em garrafas pet até um dos pontos de coleta e a cada dois litros, ganha um cupom para participar do sorteio de um smartphone no dia 23 de dezembro. - Assessoria
FAMASUL - SENAR

Quando descartado na pia, o óleo de cozinha provoca o entupimento e o extravasamento da rede de esgoto, além de poluir o meio ambiente. Por isso, a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) de Paranaíba, em parceria com o Movimento Valorização da Vida em Defesa de Pessoas com Necessidades Especiais e Meio Ambiente e com o Grupo Semenando MS, implantou projeto para coletar e dar a destinação correta ao óleo de cozinha descartado pela população de Paranaíba.

São mais de 20 pontos de coleta de óleo usado, entre o escritório comercial e o escritório da regional da Sanesul em Paranaíba, escolas estaduais, municipais, rurais, particulares e supermercados.  A população deve levar o óleo de cozinha em garrafas pet até um dos pontos de coleta e a cada dois litros, ganha um cupom para participar do sorteio de um smartphone no dia 23 de dezembro.

"Nosso objetivo é amenizar as interferências na rede de esgoto do município e ajudar o meio ambiente. O óleo vai ser vendido e vamos doar o dinheiro para instituições de caridade", explicou o gerente regional de Parabaíba, Ronaldo José Severino de Lima.

Para se ter uma ideia do problema, um litro de óleo de cozinha usado pode poluir cerca de 1 milhão de litros de água, o que é aproximadamente consumido por uma pessoa em 14 anos.

Ao ser despejado na pia ou no vaso sanitário, o óleo usado passa pelos canos da rede de esgoto e fica retido em forma de gordura, atraindo micro-organismos e provocando doenças como leptospirose, febre tifoide, cólera, hepatites, esquistossomose, amebíase e giardíase.

Além disso, esse óleo incrustado nos encanamentos dificulta a passagem da água e causa o extravasamento da rede de esgoto e o seu entupimento, levando ao mau funcionamento das estações de tratamento, fazendo-se necessário o uso de produtos químicos poluentes para desentupir essas instalações. Isso leva à mais poluição e a mais gastos econômicos, sem contar que o óleo acaba indo parar nos mananciais, poluindo rios, lençóis freáticos e matando espécies aquáticas.

"Com a campanha, buscamos aliar sustentabilidade com desenvolvimento social, econômico, político e cultural. O projeto já existia, remodelamos e a Sanesul se tornou uma importante parceira para que fosse concretizado, recebendo o óleo, armazenando e levando para ser vendido e reciclado", afirmou uma das coordenadoras do projeto, a funcionária da Sanesul Adma Aparecida da Costa.

Diversas instituições são parceiras do projeto, coordenado também pelos engenheiros Atilio Eduardo Pioli e Rodrigo Guimaraes.

 

Banner Whatsapp Desktop
agecom - fullbanner
Cornavirus