16 de setembro de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Andorinha3
CEARÁ

Questão do CE tem de ser resolvida, em 1º lugar, pelo governador, diz Mourão

"Na minha opinião, o governador do Ceará não estava a cavaleiro da situação. O dado que nós temos é que parcela significativa da Polícia Militar estava de férias, em um período conturbado", afirmou Mourão

11 janeiro 2019 - 22h48
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse que o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), é responsável pela crise de segurança pública no Estado
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse que o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), é responsável pela crise de segurança pública no Estado - Foto: Divulgação

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse que o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), é responsável pela crise de segurança pública no Estado, que já dura dez dias, e não pode esperar agora que os agentes da Força Nacional resolvam o problema.

"Na minha opinião, o governador do Ceará não estava a cavaleiro da situação. O dado que nós temos é que parcela significativa da Polícia Militar estava de férias, em um período conturbado", afirmou Mourão ao jornal O Estado de S. Paulo. "Se a PM tem cem de efetivo e nós temos 12 meses no ano, só podem ter 8 a 9 de férias por mês. É uma matemática simples, não é? Então, acho que o governador andou falhando nisso aí e, obviamente, pediu reforço da Força Nacional. Agora, a questão do Ceará tem de ser resolvida, em primeiro lugar, por ele."

Há 500 agentes federais no Ceará, além de policiais de outros Estados. Em entrevista concedida à Rádio O Povo/CBN, de Fortaleza, Camilo Santana cobrou leis mais fortes para combater o crime organizado e punir atos terroristas, como os ataques praticados no Ceará. "É preciso rever as leis deste País, que são muito frouxas", argumentou o governador. "Você bota uma bomba num viaduto e era para ser enquadrado como terrorista, pegar mais tempo de prisão, mas hoje não é assim."

Santana também elogiou o novo ministro da Justiça, Sérgio Moro, que, quando era juiz da Lava Jato, foi algoz do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde abril do ano passado. Para o governador, Moro está atuando como um "aliado" contra o crime organizado.

TJMS