19 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
GERAL

Pais de Marielle cobram respostas sobre assassinato da vereadora

12 julho 2018 - 18h12

Os pais da vereadora Marielle Franco, assassinada a tiros com seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março, protestaram nesta quinta-feira, 12, contra a falta de informações oficiais da polícia sobre as investigações. Quase quatro meses após o crime, o silêncio da polícia também incomoda amigos da parlamentar e entidades de direitos humanos que acompanham o caso.

"Espero que as pessoas que estão à frente das investigações tenham um compromisso maior com a sociedade e com a família", cobrou a mãe da vereadora morta, Marinete Silva. O pai, Antonio Silva, diz que tudo o que soube sobre o andamento das investigações foi por meio da imprensa. "Estamos sempre esperando que alguém nos procure, nos dê informações, até para amenizar a nossa dor, para sabermos que estão investigando e que vamos ter uma resposta satisfatória."

A viúva de Marielle, Mônica Benício, também se manifestou por meio das redes sociais: "O silêncio da não resposta às perguntas #QuemMatouMarielle #QuemMandouMatarMarielle não fere só a minha alma, mas a de 46.502 eleitores de Marielle, a todas as mulheres, a população negra, LGBTI, favelada e periférica. Fere a todo brasileiro e brasileira que acredita e sonha que esse ainda pode ser um país melhor e mais justo para todos. Fere sobretudo a nossa democracia que não pode aceitar essa barbárie. A não resposta ao assassinato de Marielle fere o mundo nos olha chocado com o terror cometido na noite de 14 de março."

"É compreensível que a investigação corra sob sigilo", diz a diretora de Pesquisas da Anistia Internacional, Renata Neder. "Mas o sigilo das investigações não pode ser confundido com o silêncio das autoridades. É importante que as autoridades venham à público prestar esclarecimentos." Diante da falta de informações, a Anistia Internacional reivindica um mecanismo externo e independente para monitorar a apuração do crime.

Procurados pela reportagem, a Polícia Civil e o Gabinete da Intervenção Federal preferiram não falar do caso. A Secretaria de Segurança Pública foi a única que se manifestou: "A assessoria de comunicação não vai divulgar informações sobre a investigação, que está sob sigilo", afirmou, por meio de nota.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
SOLURB
tj ms agosto