14 de novembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
banner Mudanças - Assembléia Legislativa - período de 09/11 a 30/11
INTERNACIONAL

ONU aponta novas evidências de que Coreia do Norte está violando sanções

15 setembro 2018 - 15h57

A Coreia do Norte está encontrando brechas significativas nas sanções econômicas globais, de acordo com um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU). O documento menciona novas evidências de venda de armas ilícitas, além de negociações financeiras ilegais.

Ainda confidencial, o relatório preparado por um painel da ONU que monitora o cumprimento de sanções afirma que a Coreia do Norte vendeu armas para a Síria, o Iêmen, a Líbia e outros países de zonas de conflito pelo mundo. Os investigadores detectaram um massivo aumento nas importações de combustível por meio de transferências envolvendo navios chineses e russos. O relatório cita ainda diversos exemplos de envios de carvão da Coreia do Norte para a China em procedimentos estruturados de forma a evitar vigilância.

A avaliação do painel da ONU é que o comércio ilegal está enfraquecendo os esforços dos Estados Unidos para pressionar o regime norte-coreano a abandonar seu programa nuclear.

"Tais violações tornam ineficiente as últimas sanções porque driblam a limitação à importação pela Coreia do Norte de petróleo e derivados, assim como o banimento à importação de carvão imposto em 2017", alertam os especialistas da ONU no relatório. O documento foi obtido pelo jornal The Wall Street Journal.

A China e a Rússia rejeitam as acusações dos Estados Unidos de que os países não estão contribuindo para reforçar as sanções. A Coreia do Norte questiona a legalidade dessas sanções.

Relatórios do painel da ONU são eventualmente tornados públicos, mas uma desavença entre Estados Unidos e Rússia sobre algumas das informações tem mantido o documento em confidencialidade até o momento. Os Estados Unidos agendaram uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para segunda-feira com o objetivo de desafiar a Rússia sobre seus esforços e para colocar um olhar cético sobre as entregas de combustível e petróleo, segundo informou um diplomata das Nações Unidas.

O relatório foi elaborado após um encontro em maio entre o presidente norte-americano Donald Trump e o líder da Coreia do Norte Kim Jong Un. A reunião era dedicada à desnuclearização da península coreana e à normalização das relações. Esforços diplomáticos não têm avançado desde então, mas os dois países estão tentando reavivar as conversas.

As descobertas do painel da ONU são a mais recente indicação de que a Coreia do Norte continua a se envolver em atividades proibidas ao mesmo tempo em que se engaja nos esforços diplomáticos. As fronteiras fechadas e o fluxo de informações limitado da Coreia do Norte tornam mais difícil acessar o quão profundo é o impacto das sanções na economia do país. Acredita-se que tenha havido impacto no ano passado, quando a economia pode ter encolhido.

Embora ainda haja alguns sinais de pressão econômica, ela é agora menos aguda. Depois de triplicarem no ano passado com a imposição do limite de importações, os preços de combustível estão voltando aos níveis anteriores, de acordo com dados coletados pelo site NK Daily, baseado na Coreia do Sul.

Investigadores da ONU citam no relatório evidencias de que traficantes de armas da Síria fecharam um acordo para rebeldes no Iêmen para compra de tanques, granadas, mísseis e uma série de outras armas da Coreia do Norte. Os traficantes ainda podem ter intermediado acordos com o Sudão na compra de sistemas antitanques norte-coreanos, afirmou o relatório. Foram documentadas ainda uma série de visitas de técnicos norte-coreanos à fábricas militares na Síria no ano passado.

O documento da ONU também afirma que foram encontradas mais de 200 joint ventures chinesas com a Coreia do Norte, um tipo de colaboração que foi banido no ano passado pelo Conselho de Segurança. De acordo com o Departamento do Tesouro norte-americano, essas companhias conduziram um grande número de negócios, incluindo desenvolvimento de softwares e construção.

Na Rússia, que também foi criticada pelo que os EUA e os oficiais da ONU dizem ser um relaxamento do cumprimento de sanções, os investigadores encontraram 39 joint ventures.

Agentes financeiros norte-coreanos continuam a operar na Rússia e na China, segundo o relatório da ONU. Abrir e gerir contas bancárias permite à Coreia do Norte obter receitas ilícitas geradas em outros países. Quando as contas foram fechadas na União Europeia, os operadores apenas transferiram os fundos para outras na Ásia, segundo a ONU.

"Sanções financeiras permanecem sendo as mais fracamente implementadas e uma das medidas mais dribladas no regime de sanções", diz o documento da ONU. Segundo a investigação, agentes operam em ao menos cinco países, com "aparente impunidade". Fonte: Dow Jones Newswires.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você está animado com a transição para um Governo Bolsonaro?

Votar
Resultados