07 de julho de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
assembleia respeito
HUMANIZAÇÃO

Mães devolvem à sociedade segurança recebida do Governo em MS

14 maio 2017 - 13h00
comper

Bombeira, Policial Militar e agente de custódia: além de mães, elas têm em comum a gratidão pelo suporte recebido do Estado e o empenho em agradecer prestando trabalho de excelência.

Campo Grande (MS) – Elas são mães e chefes de família, conquistaram junto ao Governo do Estado boas oportunidades de emprego e hoje retribuem fazendo mais seguro o dia-a-dia de muitos dos sul-mato-grossenses. Bombeira, Policial Militar e agente de custódia, suas histórias ilustram a força de centenas de mulheres que encontraram respaldo na administração estadual para prover suas casas e dar aos filhos um futuro melhor.

“Eu estou super ansiosa e agradecida. Essa é a primeira oportunidade que eu tenho de melhorar a vida da minha filha”. A fala é da mãe, Patrícia Gomes da Silva, prestes a ser empossada pelo Governo do Estado como agente de custódia da Agência Estadual de Administração do sistema Penitenciário (Agepen).

Aos 30 anos e com uma filha de 10, Patrícia já faz planos com o futuro salário, três vezes maior do que recebe atualmente. “Agora, minha filha vai poder fazer coisas que as crianças dessa idade querem, como ir ao shopping”, comemora. No mês passado, o governador Reinaldo Azambuja assinou o decreto que oficializa a nomeação de 200 aprovados no concurso da Agepen, entre eles Patrícia.

A serviço da vida

“Nosso serviço militar é o único que nos faz jurar, mesmo com o risco da própria vida. E isso me faz refletir muito no quanto ele é importante. Somos bombeiros mesmo na hora de folga, pois quem sabe que somos bombeiros vai nos pedir ajuda em qualquer momento do dia ou da noite. E isso tem muito a ver com ser mãe, pois somos mães em qualquer hora e não temos folga em nenhum momento”. A afirmação é da cabo do Corpo de Bombeiros, Sinaya Raphaela Holsbach, de 33 anos.

Com uma filha de seis anos e há 10 na Corporação, ela participou do processo de seleção por insistência da mãe, que sempre admirou a profissão. “Quando minha filha tinha três meses, minha mãe faleceu. Graças a eu estar nessa profissão consegui manter o plano de saúde dela, ter um bom salário. E sempre que eu precisei pude contar com meus comandantes”, conta.

Hoje no administrativo para poder conciliar os horários ao cuidado com a filha, Sinaya fala com emoção das histórias de salvamento. “Em 2013 havia alagamentos na cidade inteira e solicitaram apoio da nossa viatura para um senhor que havia sido levado pela enxurrada”, relembra.

“Ele conseguiu se agarrar a um morro de cupim com meio metro de altura. Se não tivesse segurado e demorássemos para chegar, teria sido levado para dentro do córrego”, lembra a bombeira. Do salvamento, renderam matérias na imprensa e uma história para levar para a vida inteira. “Ele foi ao quartel nos agradecer depois, foi um dos casos que mais marcou minha carreira porque ele sobreviveu e deu tudo certo”, diz, emocionada.

Dedicação

Policial Militar desde 1.990 e atualmente na Coordenadoria de Segurança Institucional da Governadoria, a sargento Martha Paços aprendeu a conciliar a rotina de mãe com o trabalho policial ostensivo. Com serviços prestados no Departamento de Operações de Fronteira (DOF), na antiga RP Tora e apoio à Força Nacional, seu dia a dia misturava os cuidados maternos com grandes apreensões e operações da PM. Com o apoio do marido militar, ela venceu ambas as tarefas e mesmo aposentada não quer deixar o trabalho. “Eu dediquei minha vida à Polícia”, diz orgulhosa.

 

Danúbia Burema – Subsecretaria de Comunicação (Subcom)

Fotos capa: João Garrigó

GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você é a favor do veto do presidente Bolsonaro em relação ao uso obrigatório de máscaras respiratórias em locais como igrejas, comércio, escolas e presídios?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - 5º verde (interno)