24 de março de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Campanhas Institucionais -  Banner - Educação Volta as Aulas
INCENTIVO

Governo de MS estima retomada da obra da UFN III em oito meses

“A Acron tem total interesse no negócio, isso ficou claro na reunião que tivemos com o grupo, em novembro de 2018”, disse Verruck

14 janeiro 2019 - 14h12
A fábrica estava sendo negociada com o conglomerado russo Acron Group
A fábrica estava sendo negociada com o conglomerado russo Acron Group - Foto: Divulgação

O Governo de Mato Grosso do Sul aguarda com expectativa, dentro de um novo cenário desenhado com a suspensão da liminar que travou a venda de parte dos ativos da Petrobras, a retomada do processo de transferência do controle acionário da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN III), empreendimento em construção pela estatal em Três Lagoas. A fábrica estava sendo negociada com o conglomerado russo Acron Group.

A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendendo a liminar imposta pelo ministro Marco Aurélio, em 19 de dezembro de 2018, revalida o edital lançado pela Petrobras e beneficia diretamente as negociações da UFN III com o grupo russo, o qual reafirmou seu interesse na compra em recente reunião com o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

Em entrevista ao Bom Dia MS, da TV Morena, nesta segunda-feira (14.01), o secretário disse que o Estado tem plena convicção de que, mantido o edital, o processo de renegociação entre a Petrobras e a Acron seja retomado na fase suspensa pela liminar e que as obras, hoje paralisadas, tenham seu reinício no prazo de oito meses. A questão judicial será definida no julgamento do mérito, pelo STF, da ação de inconstitucionalidade, pedida pela Advocacia-Geral da União (AGU), previsto para fevereiro.

“A Acron tem total interesse no negócio, isso ficou claro na reunião que tivemos com o grupo, em novembro de 2018”, disse Verruck. “Nos últimos dois meses nós tivemos praticamente três reuniões com os gestores da empresa, discutindo a questão dos incentivos fiscais e o fornecimento do gás natural da Bolívia para o empreendimento, inclusive com a elaboração de um pré-contrato para a aquisição desse gás”, acrescentou.

Incentivos mantidos

Para o secretário, a fábrica de fertilizantes tem uma importância estratégica para Mato Grosso do Sul, que passará a produzir e a exportar produtos que hoje são importados pelo agronegócio, além da geração de emprego e renda e dinamização da economia local. Ele lembrou que o Estado alterou o decreto de concessão de incentivos fiscais, permitindo a transferência do benefício da Petrobras para o novo empreendedor, com validade até 2031.

“A Acron pretende exportar 90% da ureia que produzir e a manutenção do incentivo lhe garante maior competitividade no mercado mundial”, destacou Verruck, acrescentando que, além das oportunidades de milhares de empregos que serão gerados na conclusão da obra, a unidade de fertilizantes estima contratar entre 500 e 600 trabalhadores na fase de operação.

Outro aspecto relevante com a retomada do empreendimento em Três Lagoas, apontado pelo secretário, é o aumento das importações de gás natural da Bolívia, o que incidirá na arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Um pré-contrato estima o fornecimento para a fábrica de um volume de 2,3 milhões de metros cúbicos/dia da matéria-prima, para a produção de ureia, amônia e o gás carbônico.

As negociações preliminares entre a Petrobras e a Acron previam um acordo de R$ 3,2 bilhões na transferência do controle acionário da UFN III, com o grupo russo estimando um investimento inicial de R$ 5 bilhões.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você considera que o uso da internet em excesso esteja incentivando os jovens a cometerem suicídio?

Votar
Resultados
IPVA
Camara.ms