20 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
AMAZONAS

Ex-secretários do Amazonas presos são transferidos para penitenciária estadual

3 janeiro 2018 - 19h55

Os quatro ex-secretários do governo do Amazonas presos por suspeita de corrupção foram transferidos nesta quarta-feira (3) para o Centro de Detenção Provisória de Manaus II (CDPM II), unidade do sistema penitenciário estadual. Eles estão detidos desde o último domingo (31) e ficaram presos inicialmente na sede da Polícia Federal em Manaus.

Pedro Elias, Wilson Alecrim, Afonso Lobo e Evandro Melo são investigados em um inquérito que apura desvio de recursos da saúde pública no Amazonas. A transferência dos ex-secretários para o sistema penitenciário estadual estava prevista para ocorrer ontem (2), mas foi adiada por falta de efetivo da Polícia Federal para a escolta.

O ex-governador do estado José Melo permanece sob a custódia da Polícia Federal por determinação da Justiça, que analisa recursos da defesa. Ele também é acusado de desviar verbas da saúde pública. A defesa nega as acusações e considera que as denúncias estão baseadas em "fofocas de blogs". A prisão temporária do ex-governador vence nesta quinta-feira (4).

A defesa do ex-secretário Afonso Lobo aguarda a conclusão do inquérito para se manifestar, mas também considera as acusações inverídicas. Lobo receberá acompanhamento médico em razão de aneurisma pré-existente e aumento da pressão arterial. A reportagem tentou contato com os advogados dos outros ex-secretários presos, mas não conseguiu retorno até a publicação desta reportagem.

Sindicância

A Secretaria de Administração Penitenciária abriu sindicância para apurar irregularidades na prisão do ex-governador José Melo. O órgão reconheceu que houve vazamento de imagens do ex-governador na Central de Recebimento e Triagem (CRT) da secretaria e na audiência de custódia, realizada no dia 26 de dezembro.

Dois funcionários da empresa de co-gestão do sistema prisional, a Umanizzare, assumiram a autoria do vazamento das fotos e a invasão ao banco de dados em que constam todas as imagens de presos que dão entrada no sistema prisional em Manaus. A administração penitenciária informou que avalia a possibilidade de instaurar um processo contra a empresa.

Segundo a Umanizzare, os dois funcionários já foram afastados e serão demitidos por justa causa. Em nota, a empresa afirmou que repudia a divulgação das imagens, uma vez que "a prática vai contra os princípios de atuação da empresa, suas normas e procedimentos e contra o treinamento realizado com os agentes de socialização".

José Carlos Cavalcanti, advogado do ex-governador José Melo, repudiou a divulgação das fotos e apontou outras irregularidades na prisão, como a utilização de algemas. “As conduções do ex-governador sempre se deram de forma vexatória e constrangedora, sem a necessidade nenhuma de uso de algemas. Ele sempre foi conduzido algemado, inclusive quando foi levado à presença do juiz. Foi conduzido algemado um senhor de 72 anos, franzino, que não oferece resistência nenhuma, que sequer levanta a voz para as pessoas”, afirmou.

A secretaria disse que as algemas foram utilizadas para resguardar a vida e garantir a segurança do ex-governador, que apresentava sinais de depressão. Os agentes tinham receio de que José Melo atentasse contra a própria vida ou contra a integridade física da equipe de escolta. A defesa do ex-governador nega que ele tivesse essa intenção. Um relatório sobre as supostas irregularidades será apresentado em 30 dias.

 

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
SOLURB
tj ms agosto