20 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
- SEBRAE INSTITUCIONAL
DICAS

Dermatite atópica: 7 dicas para aproveitar o verão

Especialista dá dicas de cuidados que podem amenizar o aparecimento dos sintomas da doença durante a estação

13 janeiro 2018 - 16h40Da redação
A dermatite atópica, doença inflamatória crônica que afeta cerca de 20% das crianças e até 3% dos adultos1, pode se agravar com a chegada da estação mais quente do ano.
A dermatite atópica, doença inflamatória crônica que afeta cerca de 20% das crianças e até 3% dos adultos1, pode se agravar com a chegada da estação mais quente do ano. - divulgação

 A dermatite atópica, doença inflamatória crônica que afeta cerca de 20% das crianças e até 3% dos adultos1, pode se agravar com a chegada da estação mais quente do ano. Isso porque o calor, o suor, a umidade, o uso do ar condicionado, e até mesmo o cloro da piscina, podem estimular crises da doença.

A dermatite atópica tem forte influência hereditária e é causada por um desequilíbrio do sistema imunológico, provocando secura da pele, coceira extrema, lesões, rachaduras, inchaço e vermelhidão. Estes sintomas geram desconforto para os pacientes, ao ponto de tirá-los do convívio social nos casos moderados a graves. No verão, quando as atividades de lazer incluem ir à praia ou à piscina expondo o corpo, o impacto social da doença se agrava.

"Por ser uma doença imunológica, a dermatite atópica não é contagiosa e, portanto, não existe recomendação para que as pessoas com a doença evitem contato com quem não tem o problema ou deixem de frequentar piscinas, por exemplo. É possível aproveitar o verão seguindo algumas orientações gerais", explica a dermatologista Cristina Laczynski, mestre da Faculdade de Medicina do ABC, coordenadora de estágio em dermatologia da instituição e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A especialista listou 7 dicas importantes para não deixar que a dermatite atópica atrapalhe o verão:

1. Sol faz bem, mas com moderação

A exposição diária ao sol de 15 a 30 minutos pode ser uma aliada da saúde, contribuindo para a absorção do cálcio pelo organismo e o fortalecimento do sistema imunológico. No entanto, em excesso, pode ser um fator de irritação da pele. Não existe uma contra indicação do uso de protetores solares para os pacientes com a doença. Porém, é recomendado que se use produtos para peles sensíveis. É imprescindível usar o protetor antes e depois de nadar, mesmo em dias de pouco sol. Já o repelente, se for usado, deve ser utilizado após o fotoprotetor.

2. Banhos de mar e de piscina

Apesar da água salgada ter um poder anti-inflamatório que pode ser benéfico para quem tem dermatite atópica, o banho de mar não é recomendado para quem apresenta a doença nas formas moderada a grave, principalmente se a pele apresenta fissuras ou infecções secundárias. Por conta do cloro, os banhos de piscina devem ser sempre seguidos de duchas e hidratação.

3. É importante manter sempre a hidratação

O ressecamento da pele causa microfissuras que facilitam o contato com os agentes que desencadeiam os sintomas da dermatite atópica. Por isso, é importante mantê-la sempre hidratada. Recomenda-se utilizar loção sem perfume, ao menos duas vezes ao dia, de preferência sobre a pele já úmida. No verão, utilize um hidratante mais leve, de absorção rápida.

4. Ar condicionado: melhor evitar

Ventiladores e ar condicionados precisam ser higienizados periodicamente para evitar a proliferação de fungos e bactérias que podem causar irritação na pele. No verão, o uso de umidificador pode ser uma solução para amenizar a falta de umidade no ambiente, principalmente quando se faz uso do ar condicionado, pois o aparelho torna o ar mais seco.

5. Prática de esportes com moderação pode ser benéfica

A prática de esportes e atividades ao ar livre, em períodos mais frescos do dia, é benéfica para a saúde mental e física das pessoas. Porém no verão, o aumento da transpiração pode levar a sensação de coceira, agravando os sintomas da dermatite atópica. Com isso, é preciso avaliar cada caso, se exercitar com moderação e utilizar protetor solar específico, com poder de penetração e durabilidade maiores.

6. Usar roupas leves

É recomendado usar roupas leves, arejadas, de tecidos naturais como algodão, que ajudam na transpiração, além de evitar tecidos sintéticos. Para a praia ou piscina, outra sugestão é usar roupas com proteção solar. Não é recomendado que a criança ou o adulto fique com a roupa úmida sobre o corpo.

7. Cuidar do aspecto emocional e da autoestima

O estado emocional dos pacientes é afetado pelo constrangimento e estigma causados pelas lesões na pele, sintomas típicos da dermatite atópica, que, no verão, ficam mais evidentes devido ao uso de roupas mais leves. Estudo mostra que 51% dos pacientes com a patologia em sua forma moderada ou grave apresentam sinais de ansiedade e depressão2. É importante que o paciente esteja sempre próximo de amigos e familiares que não deixam o preconceito e o isolamento tomar conta do cotidiano, bem como manter um acompanhamento médico e psicológico, se for o caso, em dia.

Tratamento contínuo para melhor qualidade de vida

A dermatite atópica não tem cura, mas pode ser controlada. Mesmo quando não há lesões, a pele do paciente com dermatite atópica apresenta uma inflamação persistente, tanto nas suas camadas superficiais quanto nas mais profundas, tornando a hidratação constante fundamental.
Para os que foram diagnosticados com dermatite atópica moderada a grave e cuja doença não é adequadamente controlada com as terapias atuais ou para pacientes que não toleram o tratamento com corticoides devido aos efeitos adversos, a Anvisa aprovou uma nova opção de tratamento chamada dupilumabe. O medicamento, também aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e a European Medicine Agency da Europa, é o primeiro agente biológico desenvolvido especificamente para o tratamento da dermatite atópica. Dupilumabe inibe a resposta inflamatória exagerada do organismo aos estímulos externos e reduz a coceira e as lesões na pele causadas pela doença já no primeiro mês de tratamento3.

TJ MS
ALMS CORTESIA