04 de julho de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
CAMPANHA SEBRAE
COMÉRCIO

Confiança do empresário do comércio campo-grandense tem nova queda e atinge menor nível da série histórica

O número, bem abaixo da zona positiva, que é de 100 pontos, revela que o empresário nunca esteve tão pessimista em relação ao cenário econômico

29 junho 2020 - 15h25Da Redação com Assessoria
O menor índice até então registrado pelo ICEC era de novembro de 2015, quando atingiu 81,2 pontos.
O menor índice até então registrado pelo ICEC era de novembro de 2015, quando atingiu 81,2 pontos. - (Foto: Divulgação)

Desde o início da pandemia da covid-19 a confiança do empresário do comércio campo-grandense vem apresentando queda ao longo dos meses, mas neste mês de junho atingiu o menor nível da série histórica desde o início da realização da pesquisa, em março de 2011, ao atingir 72,6 pontos. Os dados são do ICEC (Índice de Confiança do Empresário do Comércio), analisado pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

O número, bem abaixo da zona positiva, que é de 100 pontos, revela que o empresário nunca esteve tão pessimista em relação ao cenário econômico. O menor índice até então registrado pelo ICEC era de novembro de 2015, quando atingiu 81,2 pontos. No mês passado, o índice alcançou um número parecido, 81,8 pontos.

"Isso se deve ao ritmo lento de recuperação das vendas no varejo, porque mesmo com o comércio atendendo normalmente os consumidores estão cautelosos, tanto em função do contágio, quanto pelo medo do desemprego. A incerteza na economia gera esse sentimento de insegurança, tanto no empresário, como no consumidor", avalia a economista do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio-MS), Daniela Dias.  

Em relação ao mês de maio, a queda na confiança foi de -7,8%, já em comparação com o mês de junho de 2019, de -43,1%. Entre os destaques do Índice, está a piora significativa da condição atual da economia brasileira para 67,8% dos empresários que participaram do levantamento. Além disso, para 57% piorou muito as condições do comércio e do próprio negócio.