04 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Conquistas PMCG
EDUCAR

Cartilha ensina como educar os filhos sem palmada

A polêmica sobre a Lei Menino Bernardo, que proíbe a aplicação de castigos físicos em crianças, continua aquecendo discussões

23 dezembro 2015 - 14h41Da redação
Arquivo
HVM

A polêmica sobre a Lei Menino Bernardo, aprovada em maio de 2014, e que proíbe a aplicação de castigos físicos em crianças, continua aquecendo discussões. Mas, se você acredita que é possível educar e estabelecer limites sem o uso de tapas, palmadas e afins, vai gostar deste post.

Este post foi inspirado na matéria publicada no site Uai, de autoria de Valéria Mendes. A introdução dele é tão didática, que resolvemos publicá-la aqui:

    “O raciocínio é simples. Digamos que algum parente ou o seu melhor amigo derramasse uma taça de vinho na toalha branquinha que você escolheu para estrear naquele almoço especial. Você gritaria ou bateria em algum deles? Agora suponhamos que um ou outro não comesse todo o alimento que eles próprios colocaram no prato. Você insistiria, tentaria forçar a comida goela abaixo, perderia e paciência e se exaltaria? E se algum deles começasse a chorar? Sua reação seria tentar entender o motivo ou simplesmente ignorar a reação?”.

A repórter ilustra situações cotidianas de famílias e faz essa reflexão sobre como lidar com elas, lembrando que crianças são bem mais frágeis que os adultos, também mais passíveis de cometer erros, afinal, estão aprendendo. Por isso, é que precisam de mais paciência e compaixão dos adultos.

Ela também explora a bandeira de muitos adultos que, contra a Lei, argumentam que sem tapas ou palmadas estaremos criando uma geração de crianças mimadas. Mas, ela mesma rebate esse argumento, lembrando os números alarmantes dos 85% dos casos de abuso físico violento que começam com uma palmada.

É claro que quando um adulto bate na criança, por mais “leve” que seja, ele está irritado, mesmo que minimamente. Diante dos desafios dos pequenos à sua autoridade (que é uma dinâmica natural entre pais e filhos e faz parte do desenvolvimento infantil), ele pode ficar mais bravo e aumentar a potência da palmada… E assim por diante. O que se sabe é que as agressões contra a criança são a quarta causa de óbito entre meninos e meninas de zero a nove anos no País. E isso tem de acabar.

Ao invés de mostrar o que é bom e o que não é, a palmada, e qualquer outro artifício desse tipo, pode virar agressão mais grave, longe de ser educativa.

Pensando em mostrar aos pais que sem palmada é possível criar crianças saudáveis, educadas, sabedoras de seus limites, o grupo ‘Crescer sem violência’ e seus parceiros elaboraram uma cartilha sobre por que e como educar sem agressão física.

O documento foi traduzido de um projeto da autoria de Al Crowell que, no seu estudo, mostra as diferentes reações de meninos e meninas às palmadas. Também comenta que dificuldades de aprendizado, de relacionamento, isolamento podem ser consequências dessas agressões.

A cartilha é um instrumento de conscientização de famílias no seu trabalho pela Primeira Infância. Além de ter uma linguagem simples, ela explora os cinco estágios do desenvolvimento infantil e a importância de cada um deles na formação do indivíduo.

Todos os conceitos partem da experiência de um casal e sua criança pequena, em diálogos e narrativas como os de histórias em quadrinhos. Há questões para reflexão, sugestões de leitura e algumas orientações de como agir em determinadas situações.

Vale a pena fazer o download (https://crescersemviolencia.files.wordpress.com/2014/06/panfleto-crescer-sem-violc3aancia.pdf), que é gratuito, e usar mais esta ferramenta em favor de um saudável e pleno desenvolvimento infantil.

Banner Whatsapp Desktop
FORT ATACADISTA - Auxilio Emergencial  (interno)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você vai fazer compras de Dia dos Pais neste ano?

Votar
Resultados
GAL COSTA
Cornavirus
agecom - fullbanner