19 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
Alerta

Amamentação cruzada pode transmitir doenças infectocontagiosas

29 abril 2015 - 14h08Editor
Na impossibilidade da amamentação, o mais indicado é que a mãe possa usar uma complementação com uma fórmula infantil adequada para a idade.
Na impossibilidade da amamentação, o mais indicado é que a mãe possa usar uma complementação com uma fórmula infantil adequada para a idade. - Divulgação

A amamentação cruzada está ganhando cada vez mais espaço entre as mães, principalmente após a campanha do Unicef sobre a importância do leite materno para a saúde dos bebês. Mas o médico nutrólogo e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia - ABRAN, Dr. Carlos Alberto Nogueira de Almeida, alerta para os riscos que essa prática pode trazer, principalmente a transmissão dedoenças infectocontagiosas, entre elas o HIV e a hepatite.

“A campanha do Unicef ressalta o valor do leite materno, mas não recomenda a amamentação cruzada. Se analisarmos a atividade somente pelo aspecto nutricional, ela não é contraindicada, pois o leite materno é, sem dúvida, o melhor alimento para o bebê, mesmo quando não é da própria mãe. O risco está na possibilidade de contaminação, que é muito grande, e pode colocar a vida em perigo”, explica o médico nutrólogo.

O leite materno é o alimento mais completo e dispensa outra dieta até os seis meses de vida. Em casos raros, pode apresentar variações e não fornecer todos os nutrientes necessários. “É extremamente incomum uma mãe não produzir o leite adequado ao seu filho. Em algumas situações, em que ela apresenta desnutrição grave ou doenças próprias da mama, pode haver menor produção do que o desejado ou com menos nutrientes”, afirma o médico nutrólogo.

Segundo o vice-presidente da ABRAN, “na impossibilidade da amamentação, o mais indicado é que a mãe possa usar uma complementação com uma fórmula infantil adequada para a idade”. Além disso, elas têm à disposição os bancos de leite, que seguem todos os procedimentos de avaliação e de segurança para que não ocorra nenhuma transmissão de doenças infectocontagiosas. Dentro de um ambiente controlado, o leite doado é testado, pasteurizado e oferecido às crianças de alto risco ou prematuras.

“Em outros casos, como da produção de um leite pobre em DHA, por exemplo, ela deve procurar um especialista que pode indicar o consumo adequado de fontes de ácidos graxos e Omega3 para reverter o processo”, explica. A recomendação, de acordo com o Dr. Nogueira, é que as mães que não conseguem amamentar os filhos adequadamente procurem um especialista para tentar descobrir a origem do problema e, primeiramente, tentar reverter a situação. Caso contrário, elas devem seguir as orientações do pediatra, procurar os bancos ou as fórmulas infantis mais adequadas. 

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
PMCG - CORTESIA
SOLURB
CORTESIA SEGOV HEPATICE C