24 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
ESPORTE

Após quase desistir, Andressa de Morais brilha no lançamento do disco

14 setembro 2018 - 05h45

Grande sensação do atletismo brasileiro neste ano, Andressa de Oliveira quer coroar no Troféu Brasil, a partir desta sexta-feira, em Bragança Paulista (SP), a melhor temporada de sua carreira. A especialista no lançamento do disco alcançou o auge de sua trajetória, aos 27 anos, ao faturar medalha na Diamond League, quebrar neste ano o recorde sul-americano pela terceira vez e ganhar o respeito das adversárias.

A consistente temporada, em que mostrou regularidade até então não vista em sua trajetória, já credencia esta paraibana de João Pessoa a projetar medalhas no Mundial de 2019, em Doha, e também nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, seu maior objetivo. "Até a Olimpíada, eu quero lançar 70 metros", disse a atleta, em entrevista ao Estado.

Ainda faltam cinco metros para ela alcançar a sonhada marca, pois o recorde registrado neste ano foi de 65,10m, no GP Brasil, em julho. Mas, a julgar pela evolução exibida nas últimas duas temporadas, o sonho pode não estar tão longe. Andressa vem crescendo mesmo diante de obstáculos, como uma hérnia de disco na coluna e falta de recursos. Nada disso impediu que ela quase igualasse o recorde brasileiro masculino, algo muito raro no atletismo, de 65,55m, de Ronald Odair Julião (2013).

A maior dificuldade foi a contusão na coluna, em 2013. O caso, de cirurgia, foi resolvido com tratamento, mais longo, o que deixou a atleta afastada dos treinos e competições por mais de um ano. "Foi bem complicado, perdi o Mundial de 2013", lamenta a lançadora, que já tinha no currículo a 12ª posição obtida nos Jogos de Londres-2012.

Seu retorno em alto nível aconteceu no Troféu Brasil de 2015. E logo de cara bateu o recorde da competição, ao lançar 64,15m. Para alcançar o feito, treinava em casa, em Bragança mesmo, antes de passar a trabalhar no Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo, que virou o epicentro da modalidade no Brasil. Sem local para treinar na época, Andressa improvisou uma pequena academia em casa e passou a fazer lançamentos em um terreno baldio, com o apoio do marido, ex-atleta do lançamento do martelo. "Eu lançava num terreno atrás de casa e tinha a ajuda do meu esposo. Hoje já não daria para fazer isso porque tem várias casas na vizinhança."

Mas Andressa tinha dificuldade para manter a motivação. "Foi um ano e pouco treinando em casa. Foi muito difícil. Confesso que tentei desistir várias vezes. Caí muito de rendimento, sentia muitas dores. Parecia que o atletismo estava acabando para mim", admite a lançadora, que chegou a ter bons resultados no Brasil também no lançamento do martelo e no arremesso de peso.

Isso se refletiu na fraca performance em 2016. Um ano depois, voltou a fazer bonito. Ao retomar a motivação, bateu recordes e estreitou o trabalho como técnico cubano Julian Baloy, que a acompanha há dez anos. Se em 2017, Andressa participou de oito torneios, neste ano ela atingirá 16 no Troféu Brasil.

A "maratona" de competições se deve principalmente à regularidade dos resultados, que garantiram sua presença em todas as etapas da Diamond League, o circuito mais prestigiado do atletismo mundial. O auge veio na etapa final, em Bruxelas, quando faturou a medalha de prata, com 64,65m. Só foi superada pela cubana Yaime Pérez, que cravou 65m. Ambas superaram a grande favorita da modalidade, a croata Sandra Perkovic, bicampeã mundial e olímpica. "Eu treino todo dia pensando nela", diz a focada brasileira, que foi apenas a 21ª nos Jogos do Rio-2016, com 57,38m.

Desde então, ela só tem evoluído. "Venho focando mais nos detalhes da técnica. Estou me cuidando mais, tanto na parte nutricional quando na psicológica. O trabalho com o meu marido também vem ajudando. Quatro olhos veem melhor que dois", avalia a atleta, ciente do alto nível que alcançou neste ano. "Acho que o diferencial é a minha regularidade, praticamente não tive oscilações na temporada."

FUTURO - Após disputar o Troféu Brasil, Andressa entrará em férias. E, mesmo antes do descanso, ela já projeta a próxima temporada, decisiva para suas ambições visando Tóquio-2020. Como aconteceu neste ano, a lançadora quer disputar novamente todas as etapas da Diamond League. Para tanto, busca patrocinadores, que sumiram de diversas modalidades, principalmente do atletismo, após o Rio-2016.

"Perdi quase todos os patrocinadores depois da Olimpíada", diz a lançadora, que recebe salário do clube Pinheiros, conta com o Bolsa-Pódio e tem vínculo com a Marinha. "Mas não é o suficiente para bancar viagens e hotéis para as competições", afirma a atleta, que compete sem apoio de marca esportiva específica. Os discos com que treina foram pagos por ela mesma.

Totalmente focada em Tóquio-2020, Andressa ainda não sabe se seguirá no atletismo após a Olimpíada. Formada em Educação Física, ela cogita até mudar de área. "Eu queria fazer outra faculdade, sem relação com o atletismo. Mas não decidi nada. Ainda vou pensar melhor no assunto."

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
SOLURB
tj ms agosto