24 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
ECONOMIA

Retomada da atividade torna cumprimento de metas fiscais mais factível, diz Ilan

A economia brasileira "já está rodando" em um crescimento de 2% a 2,5%, e os analistas acham que vai melhorar um pouco mais, destacou o presidente do BC em sua apresentação

12 março 2018 - 09h42
O juro real do Brasil é alto em relação à economia mundial, disse Ilan, mas é o mais baixo que o País já teve em muito tempo
O juro real do Brasil é alto em relação à economia mundial, disse Ilan, mas é o mais baixo que o País já teve em muito tempo - Foto: Jovem Pan Online

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta segunda-feira, 12, que a retomada da atividade econômica torna o cumprimento das metas fiscais mais factível. O dirigente, porém, alertou que é preciso que o Brasil prossiga com a agenda de ajuste fiscal e as reformas, para garantir que os juros continuem baixos por tempo prolongado.

Ilan ressaltou que a reforma da Previdência foi adiada, mas o governo de Michel Temer conseguiu aprovar outras reformas relevantes, como a trabalhista e o teto de gastos. "O teto empurra o Brasil para discutir a reforma da Previdência e já está fazendo seu papel."

No caso das mudanças nas regras trabalhistas, o presidente do BC destacou que os litígios na área tiveram redução significativa no final de 2017. "Tomara que seja já o primeiro impacto da reforma."

A economia brasileira "já está rodando" em um crescimento de 2% a 2,5%, e os analistas acham que vai melhorar um pouco mais, destacou o presidente do BC em sua apresentação. "Acreditamos que a política monetária teve um papel nessa recuperação", afirmou ele, observando que os juros reais da economia estão na casa dos 3%.

O juro real do Brasil é alto em relação à economia mundial, disse Ilan, mas é o mais baixo que o País já teve em muito tempo. "Eu entrei na vida acadêmica, de economista, com juro real de 20%", disse o presidente do BC.

Ao falar do cenário macroeconômico, Ilan mencionou que o Brasil tem hoje um problema diferente do enfrentado pelo resto do mundo, que discute se a inflação vai se acelerar de forma mais intensa e se os juros vão subir. Na economia brasileira, ao contrário, um dos riscos é a inflação seguir baixa por muito tempo.

O dirigente ressaltou que no caso brasileiro, que sempre conviveu com inflação alta e juro elevado, é sempre mais fácil lidar com o ambiente de inflação reduzida. "É um risco do bem", disse Ilan ao falar da possibilidade de os índices de preços seguirem baixos.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
CORTESIA SEGOV HEPATICE C
tj ms agosto