13 de dezembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Campanha IPTU 2019 - Reposição,
ECONOMIA

Juros invertem alta e fecham em baixa com avanço menor do dólar e Bostic

6 dezembro 2018 - 15h59

Os juros futuros zeraram a alta e passar a cair na última hora de negócios desta quinta-feira, 6, refletindo alguma redução do nível de aversão ao risco no exterior, que também diminuiu a pressão sobre as moedas emergentes. A melhora ocorreu principalmente depois das declarações do presidente da distrital de Atlanta do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Raphael Bostic, de que os juros nos Estados Unidos estão próximos do patamar neutro, no período da tarde.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,880%, de 6,942% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2020 caiu de 7,973% para 7,91%. A taxa do DI para janeiro de 2023 terminou na mínima de 9,13%, de 9,183% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2025 recuou de 9,772% para 9,70%. O dólar, que pela manhã já esteve acima dos R$ 3,94, era cotado em R$ 3,8908 (+0,61%) às 16h36.

Após passarem a manhã pressionados pelo exterior e pelo avanço do dólar, os juros começaram a esboçar melhora a partir da última hora de negócios, na medida em que a moeda americana desacelerava os ganhos.

Já na reta final da sessão regular, as taxas viraram para queda e passaram a bater mínimas. "Temos o Bostic falando que os EUA estão próximos do juro neutro. Com isso, todas as moedas melhoraram e o DI veio junto", explicou o operador da Renascença DTVM, Luis Felipe Laudisio.

O presidente do Fed de Atlanta afirmou que o País está "a uma curta distância do nível neutro da taxas de juros", apenas reforçando o que já havia dito o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na semana passada, e a expectativa de que o aperto monetário nos EUA possa ser encurtado. Mas o efeito sobre o mercado é potencializado porque nos últimos dias vêm crescendo as preocupações com uma possível recessão nos Estados Unidos, a partir da inversão da curva de juros norte-americana.

Os investidores estão ainda de olho na reunião da Opep, que acontece em Viena. Autoridades do Irã afirmaram que o grupo "chegou a algum tipo de acordo sobre a produção", mas que há muito "descontentamento" na sala de discussão. Os preços do petróleo seguem em queda de mais de 3%, com o barril WTI para janeiro na Nymex cotado em US$ 50,95 (-3,65%) às 16h22.

fullbanner-prestacao-contas-468x60px-cmcg-nov18
Rubeola