19 de agosto de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Banner - Campanha Doe Sangue 09.08 até 16.08
ECONOMIA

Iata: alta dos custos reduz estimativa para lucro das aéreas em 2018

14 junho 2018 - 15h55

Diante do cenário de aumento dos custos das companhias aéreas com combustível e obrigações trabalhistas, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) revisou para baixo sua projeção para o lucro da indústria neste ano. Pela expectativa atual, a cifra deve chegar a US$ 33,8 bilhões (com margem líquida de 4,1%), inferior aos US$ 38,4 bilhões previstos em dezembro de 2017.

A nova estimativa foi apresentada na manhã desta segunda-feira, 4, durante conferência organizada pela entidade em Sydney, na Austrália. Em sua fala, o diretor geral da Iata, Alexandre de Juniac, destacou que a performance das aéreas permanece "sólida", apesar dos desafios no horizonte para este ano - notadamente, os custos das companhias, mas também a "crise" de capacidade aeroportuária e questões regulatórias. "As bases financeiras da indústria se mostram fortes e o retorno sobre o capital investido deve exceder o custo de capital pelo quarto ano consecutivo", destacou.

Como contrapeso à elevação dos custos, o cenário para as receitas segue favorável, baseado no crescimento da demanda aérea. No segmento de passageiros, a Iata prevê que o tráfego aéreo deve avançar 7,0% em 2018, desacelerando frente à taxa de 8,1% em 2017, mas ainda acima da média de 5,5% dos últimos 20 anos. Já a demanda por transporte aéreo de cargas deve subir 4,0%, também arrefecendo em relação à expansão de 9,7% do ano passado, impulsionada por um ciclo de reabastecimento de estoques que já chegou ao fim.

Neste cenário, as receitas totais das aéreas devem expandir para US$ 834 bilhões em 2018, 10,7% superiores às anotadas em 2017, conforme as projeções da Iata.

Em relação ao fechamento do ano passado, a entidade estima que as companhias tenham lucrado US$ 38 bilhões. A cifra, maior que os US$ 34,5 bilhões previstos anteriormente pela Iata, foi engordada por itens contábeis, como créditos tributários não recorrentes, explica a Iata. Embora o lucro de 2017 tenha sido maior que o esperado para este ano, Alexandre de Juniac frisa que, na leitura da Iata, a indústria de aviação não passa por uma reversão da tendência positiva.

*A jornalista viajou a convite da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
VAZIO SANITÁRIO