21 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
ECONOMIA

Governo do ES vai à Justiça contra renovação de concessão ferroviária da Vale

13 julho 2018 - 19h17

O governo do Espírito Santo (ES) ajuizou uma ação para barrar o processo de renovação antecipada da concessão da Ferrovia Vitória-Minas para a Vale. O objetivo é garantir que os investimentos realizados pela mineradora como contrapartida sejam realizados no estado e não no Centro-Oeste. Pela proposta que vem sendo negociada pelo governo federal, detentor da concessão da ferrovia, com a companhia, serão investidos R$ 4 bilhões na construção de uma nova ferrovia - majoritariamente no território do Mato Grosso - para atender o agronegócio.

No início de julho, o governo chamou a imprensa para anunciar que a Vale foi escolhida para construir um trecho de 383 km da ferrovia entre os municípios de Campinorte, em Goiás e Água Boa, em Mato Grosso. A nova malha teria a missão de apoiar o escoamento de grãos do Estado, ligando-se ao traçado da Ferrovia norte-sul.

Em troca da obra, a Vale receberia a renovação automática das concessões da Ferrovia Vitória-Minas, entre Vitória e Belo Horizonte, e da Estrada de Ferro Carajás, que passa pelos Estados do Maranhão e do Pará, ligando o Porto do Itaqui, em São Luís (MA) e Marabá e Parauapebas (PA). A medida, entretanto, provocou insatisfação nos Estados em que estão localizadas as ferrovias.

De acordo com o procurador-geral do Estado, Alexandre Nogueira Alves, o objetivo da ação, ingressada na Justiça Federal do ES, é suspender o processo de renovação antecipada e marcar um audiência de conciliação com Governo Federal. O réu na ação é a União e não a Vale. Segundo o procurador, a governo está realizando um processo sem transparência e pouco sustentado tecnicamente.

"No processo administrativo (da renovação), não há nenhuma justificativa do porquê dessa contrapartida de R$ 4 bi (valor estimado do investimento no Centro-Oeste). Esse valor não se sustenta em nenhum dado técnico", diz.

Para ele, a motivação do governo federal na escolha do investimento foi política e desconsiderou a necessidade de que o investimento que substitui a outorga seja feito no próprio objeto da concessão. Segundo ele, tal previsão consta da Lei nº 13.444, que autoriza a renovação antecipada. "Falta transparência para quem quer fazer uma prorrogação 10 anos antes do fim da concessão, em fim de governo", diz, lembrando que a concessão termina em 2027.

Procurada, a Vale não quis comentar a iniciativa do governo estadual. De acordo com o procurador, o protocolo do pedido da companhia para renovação foi apresentado em novembro de 2015. "A empresa sempre manifestou que a contrapartida seria a prolongamento da Vitória-Minas na direção do sul do ES. São 163 km a um custo estimado de R$ 3 bi", diz.

Segundo ele, após a reclamação do governo do ES, a empresa sinalizou com um investimento de R$ 1 bilhão para fazer um trecho dessa ferrovia como contrapartida pela renovação de uma concessão da VLI, empresa onde a Vale detém uma participação de 30%. "Isso foi em uma reunião extraordinária, na semana passada. Eles deram esse indicativo, mas não há nada concreto", completou.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
PMCG - CORTESIA
SOLURB
tj ms agosto