17 de dezembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
BANNER TCE - E-Extrator PI 3492/2018 (13/12 até 17/12)
ECONOMIA

Energia elétrica cai 4,04% e tem maior impacto negativo no IPCA de novembro

7 dezembro 2018 - 09h39

Os preços da conta de luz e dos combustíveis foram os que mais contribuíram para a deflação registrada no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro, que registrou queda de 0,21%, como informou mais cedo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a menor taxa do IPCA para meses de novembro desde a implantação do Plano Real, em 1994.

Isoladamente, a energia elétrica foi o item com maior contribuição negativa para o IPCA de novembro, com -0,16 ponto porcentual (p.p.), após registrar queda de 4,04% ante outubro. Com isso, o item energia elétrica, que até outubro acumulava alta de 15,54%, passou a acumular no ano alta de 10,88%.

"As áreas apresentaram variação entre os -6,83% da região metropolitana de Fortaleza e os 4,31% de Goiânia. A alta nesta última deveu-se ao reajuste de 15,56% nas tarifas, em vigor desde 22 de outubro. A queda nas demais foi motivada pela mudança na bandeira tarifária. Em novembro, passou a vigorar a bandeira amarela, com a cobrança adicional de R$0,01 para cada kwh consumido. Em outubro, a cobrança adicional era de R$0,05 por kWh consumido", diz a nota divulgada pelo IBGE.

Por causa da conta de luz, o grupo Habitação registrou deflação de 0,71% no IPCA de novembro, com impacto negativo de 0,11 p.p. no índice de novembro. O grupo de maior contribuição negativa em novembro foi Transportes, com queda de 0,74% e -0,14 p.p. no IPCA.

Os combustíveis, com queda de 2,42% foram destaque no grupo Transportes. "A gasolina ficou, em média, 3,07% mais barata em novembro. Já as quedas do óleo diesel e do etanol foram menos intensas, -0,58% e -0,52%, respectivamente, ante as altas de 2,45% e 4,07% registradas em outubro. O gás veicular seguiu a trajetória de alta, passando de 0,06% para 5,45% em novembro. Regionalmente, todas a áreas pesquisadas apresentaram queda de preços na gasolina, ficando entre os -5,35% registrados em Brasília e o -1,06% da região metropolitana do Rio de Janeiro", diz a nota da IBGE.

O órgão destacou ainda que, no grupo Transportes, o item passagem aérea também desacelerou, com alta de 2,92% frente aos 7,49% de outubro.

fullbanner-prestacao-contas-468x60px-cmcg-nov18
TJMS – Campanha do TJMS – SEMANA NACIONAL DA RECONCILIAÇÃO