17 de agosto de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 BANNER TCE - Supremacia Lei Licitação PI 2209 (25 a 27/07 e 30 e 31/07)
ECONOMIA

É impossível você fechar uma tabela de preço mínimo para o frete, diz Maia

13 junho 2018 - 11h14

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou nesta quarta-feira, 13, a proposta do governo de estabelecer uma tabela de preço mínimo para o frete de caminhoneiros. Na avaliação do parlamentar fluminense, será "impossível" fechar uma tabela que agrade a todos os envolvidos.

"É impossível você fechar uma tabela de preço mínimo para o frente", afirmou Maia em entrevista após evento promovido pela Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). "Esse debate vai continuar até que se perceba que não era a melhor solução", declarou.

A edição de medida provisória (MP) com tabela de preço mínimo de fretes fez parte do acordo do governo com os caminhoneiros para por fim à greve da categoria. Até agora, o governo já publicou duas tabelas. A primeira desagradou as transportadoras e a segunda, aos caminhoneiros.

Toda essa polêmica levou a Associação do Transporte Rodoviário de Cargas do Brasil (ATR Brasil) a entrar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF). Para a entidade, tabelar os preços fere a economia de mercado" e amplia a possibilidade de movimentos que tentam pressionar o governo.

Relator da ação, o ministro Luiz Fux, decidiu aguardar a negociação entre governo e empresas de transporte de carga antes de decidir sobre pedido para suspender a medida provisória que instituiu preços mínimos para os fretes. "Essa é uma solução que o governo vai ter que encontrar", disse.

O presidente da Câmara também relatou dificuldades para se votar, na Casa, o novo Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargos, outra demanda dos caminhoneiros. Segundo Maia, o texto ainda não foi votado no plenário porque "a cada hora aparece um problema".

Cessão onerosa

Na entrevista, o parlamentar fluminense também defendeu a aprovação do projeto que libera a Petrobras a vender parte das áreas da cessão onerosa do pré-sal da Bacia de Santos.

Segundo ele, em reunião na terça-feira, 12, o novo presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, relatou que a área deve gerar 500 mil empregos no País.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
VAZIO SANITÁRIO
João Bosco e Banda