14 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
agecom
ECONOMIA

Dólar sobe com cautela no exterior, Campos Netto e saúde de Bolsonaro no radar

Além da realização de lucros nas bolsas internacionais em meio a preocupações com a recuperação global após o aumento de casos de coronavírus nos EUA

7 julho 2020 - 08h34
A elevação acumulada em maio e junho recuperou apenas 33% das perdas registradas em março e abril.
A elevação acumulada em maio e junho recuperou apenas 33% das perdas registradas em março e abril. - ( Foto: Divulgação/ Internet)
FAMASUL - SENAR

O dólar volta a opera em alta no mercado doméstico. Além da realização de lucros nas bolsas internacionais em meio a preocupações com a recuperação global após o aumento de casos de coronavírus nos EUA e uma piora das projeções do PIB da zona do euro, os investidores precificam sinais do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que a Selic pode ter novo corte residual. Há expectativas ainda sobre o estado de saúde de Jair Bolsonaro.

É aguardado para as próximas horas o resultado do exame de covid-19 do presidente que, nos últimos 14 dias encontrou-se com autoridades estrangeiras, como o embaixador dos Estados Unidos no Brasil no último sábado, e com vários ministro.

Somente com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro - que não costuma manter o uso de máscara nem em eventos públicos - esteve reunido ao menos sete vezes nesse período.

Em entrevista à Record News na segunda-feira à noite, Campos Neto afirmou acreditar na política monetária e enfatizou que "nas comunicações recentes do BC existe algum espaço residual, apesar de pequeno, para flexibilizá-la". Mesmo assim, Campos Neto mostrou otimismo ao dizer que a autarquia vê a recuperação econômica da crise do coronavírus em formato mais acelerado do que o visto anteriormente.

Mais cedo, a FGV divulgou uma melhora marginal na expectativa sobre o mercado de trabalho. O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 14 pontos na passagem de maio para abril, para 56,7 pontos. A alta é, contudo, insuficiente para recuperar as perdas recentes, provocadas pela crise da covid-19. A elevação acumulada em maio e junho recuperou apenas 33% das perdas registradas em março e abril.

Às 9h25, o dólar à vista subia 0,36%, a R$ 5,3712. O dólar futuro para agosto avançava 0,23%, a R$ 5,3780.

Banner Whatsapp Desktop
agecom - fullbanner
Cornavirus